A Virtude do Conhecimento

Disse Allah, o Altíssimo: E disseram: Não deixeis vossos deuses e ano deixeis wadd nem Swa nem Yaghuth nem Yaúq nem Nasr (Nuh 23). Disse Ibn Abbass: Estes são nomes de homens íntegros do povo de Noé. Quando morreram, o Satanás inspirou o povo deles a construir imagens deles e colocá-las nos locais onde sentavam e denominaram estes locais com os seus nomes. A primeira geração não os adorou, porém, ao ter fim esta geração e quando o conhecimento se tornou escasso a ponto de ser eliminado, estas imagens foram adoradas.

            Esta é a história da primeira ocorrência de idolatria na humanidade. Teve início com uma boa intenção unida a um erro. E quando o conhecimento se perdeu na geração posterior, a situação se agravou, e ocorreu a idolatria.

            Devemos saber queridos irmãos, que não teremos uma adoração válida, nem piedade beneficente senão com o conhecimento. O conhecimento do Alcorão, o conhecimento da Sunnah, a tradição do profeta Muhammad(saas), o conhecimento do que Deus revelou como religião e sistema de vida aos Seus servos...

            O conhecimento do Alcorão e da Sunnah é vida para os corações, luz para as visões e cura para as doenças... Disse Allah, o Altíssimo: E acaso, quem estava morto, e Nós demo-lhe vida fizemo-lhe luz, com que anda entre os homens, é igual a quem está nas trevas, da quais jamais sairá? Assim, aformoseou-se, para os incrédulos, o que faziam (Al na´am 122). E disse, altíssimo seja: Então, quem sabe que o que foi revelado para ti, de teu Senhor, é a verdade será igual a quem é cego? Apenas, meditam os dotados de discernimento (Ar-ra'd 19).

            Allah, altíssimo seja, indica a nobreza do conhecimento, comparando o testemunho dos sábios ao testemunho dos anjos e ao Seu próprio testemunho, exaltado seja... Allah dá testemunho que não há divindade real além d´Ele, os anjos e os sábios também confirmam isso com a equidade (Al Imran 18).  Em outros versículos, resume o temor a Deus entre os sábios: Entre os Seus servos, só os sábios temem a Allah (35:28). Em outra parte do Alcorão, Allah interroga: Por acaso, podem ser comparados os que conhecem e os que não conhecem? Só os sensatos é que se lembram disso (39:9).

E dentre os dizeres do profeta Muhammad (saas) que nos indicam a virtude da ocupação na busca do conhecimento: Disse o mensageiro de Allah (saas): “Aquele que percorrer um caminho à procura do conhecimento, Allah lhe facilitará o caminho ao paraíso; os anjos inclinam suas asas para o procurador do conhecimento por agrado pelo que faz; e tudo quanto existe nos céus e na terra, até mesmo os peixes na água imploram a Deus o perdão para o sábio; e a virtude do sábio sobre o adorador é como a virtude da lua sobre os outros planetas; e os sábios são os herdeiros dos profetas, e os profetas não deixaram nem moedas de ouro nem de prata, mas deixaram o conhecimento, que o conquistar estará conquistando algo valioso”.

Atualmente, temos extrema necessidade em buscarmos a ciência da religião. A busca do conhecimento não é função ou missão de um grupo em específico, mas é obrigação de todo muçulmano, cada qual conforme sua situação. Ou seja, quando falamos em buscar o conhecimento, não estamos a falar somente da formação do sábio, isto deve ocorrer no seio da sociedade e devem haver sábios em todo o mundo para orientarem as pessoas na religião de Deus... Então, que saia uma facção de cada coletividade, para que possam instruir-se na religião e para que, depois, admoestem seu povo, quando a ele retornarem, a fim de que este se precate (At-taubah 122).

Porém, muçulmano entende que o conhecimento deve fazer parte da vida de todo muçulmano e toda muçulmana. Temos obrigação na crença, na adoração e na conduta, e para cumprirmos estas obrigações temos que conhecer o que Deus nos ordenou crer e o que Deus nos ordenou fazer. Como iremos cumprir o obrigatório sem conhecer o que é obrigatório e sem saber como cumpri-lo?! Lemos o dizer de Deus: Então, quem espera pelo deparar de seu Senhor, que faça boa ação e não associe ninguém à adoração de seu Senhor (al kahf 110), pois bem, quais são as boas ações, e como fazê-las, quais as prioritárias, como adorar a Deus, etc., tudo isso só é alcançado com o conhecimento. Em resumo, podemos dizer que o conhecimento mínimo obrigatório a cada indivíduo muçulmano é: ter ciência daquilo que o capacita a cumprir o direito de Deus sobre ele, seja na crença seja na adoração. Reflita sobre o famoso hadith do anjo Gabriel, em que o anjo pergunta ao profeta Muhammad (saas) sobre a crença e ele lhe responde: “Que creia em Allah, em Seus anjos, em Seus livros, em Seus mensageiros, no último dia e no pré-destino, bom e mal”. Quando perguntado sobre o Islam, disse: “Que testemunhe que não há divindade real além de Allah e que Muhammad é Seu mensageiro, cumprir a oração, pagar o zakat, jejuar o ramadhan, cumprir o hajj”... e o perguntou sobre a benfeitoria e sobre os sinais do fim. Quando o anjo foi embora, o profeta (saas) perguntou aos seus companheiros: Sabem quem era este? Ao responderem que não sabem, ele disse: “Este era Jibril, veio vos ensinar a vossa religião”. Então, conhecer os detalhes dos seis pilares da crença e os detalhes dos cinco pilares do Islam, das cinco adorações, é o mínimo do conhecimento de um muçulmano, pois sem este conhecimento ele não estará a cumprir o mínimo da religião; e tudo o que leva ao obrigatório é obrigatório; em outras palavras: tudo aquilo, cuja ausência, nos incapacita de cumprir o obrigatório, é obrigatório.

A nação muçulmana é a nação da leitura e da ciência, o primeiro versículo revelado ao profeta Muhammad (saas) foi: “Iqrá'”, “Lê”, porém, infelizmente, somos os que menos lêem hoje no mundo...

Para concluir, reflitam comigo sobre o valor do conhecimento através de uma história revelada por Deus no Alcorão Sagrado. Leiam os seguintes versículos e imaginem conosco as lições inseridas... Por certo, Qarun era do povo de Moisés, e cometeu transgressão contra eles, e concedêramo-lhe, dos tesouros, aquilo cujas chaves extenuam um coeso grupo, dotado de força. Lhe disse seu povo: Não te jactes de teus tesouros... E busca a Derradeira Morada no que Allah te concedeu, e não esqueças tua porção, na vida terrena. E bem-faze, como Allah te bem-fez...  Deus cita a reação de dois grupos ao observarem a riqueza e a ostentação e incredulidade de Qarun: (1) os que desejavam a vida terrena disseram: Quem dera houvesse, para nós, algo igual ao que foi concedido a Qarun! Por certo, ele é de magnífica sorte!.(2) E aqueles aos quais foi concedida a ciência, disseram: Ai de vós! A retribuição de Allah é melhor para quem crê e faz o bem. E ela não é conferida senão aos que pacientam. Então fizemos a terra engoli-lo... E os que na véspera anelavam a sua posição, amanheceram dizendo: ... Se Allah não nos houvesse feito mercê, haveria feito a terra engolir-nos. Seguramente, os incrédulos não são bem aventurados (Al qassass 76-82).

Os que desejam a vida terrena. E citou em contrapartida os que têm a ciência, não citou que eles não desejam a vida terrena, ou que eles são crentes ou íntegros. Mas os elogiou pela ciência que os guiou neste episódio. Quando Deus castigou a Qarun, o primeiro grupo mudou sua idéia... Se Allah não nos houvesse feito mercê, haveria feito a terra engolir-nos. Seguramente, os incrédulos não são bem aventurados. Enquanto os que têm conhecimento não foram mais citados porque tinham razão e porque são firmes e seguros em seus ideais e em suas ações. Eles haviam dito... A retribuição de Allah é melhor para quem crê e faz o bem. E ela não é conferida senão aos que pacientam... e assim foi, o conhecimento os guiou à crença e à benfeitoria, e recomendaram a paciência aos que almejam a Vida Eterna porque não são daqueles que apenas sabem das aparências da vida terrena e estão desatentos à Derradeira Vida (Ar-rum 7).

Sheikh Ahmad Mazloum

Masjid Omar ibn Al Khattab

A Virtude do Conhecimento 2