Resistir aos Invasores é um Dever Individual

Por Essam Talima

O renomado estudioso islâmico Shaikh Yusuf Al-Qaradawi advertiu os líderes árabes que eles serão amaldiçoados pela história e odiados pelos seus povos se eles se alinharem com os EUA na Guerra do Iraque. Ele encoraja a Ummah por todo o mundo a unir-se frente à guerra.

Ao fazer o sermão de Sexta-feira, em 7 de Março na Mesquita Omar Ibn Al-Khattab, em Doha (capital do Qatar), Al-Qaradawi promulgou uma fatwa que declara ser proibido às nações Árabes e Muçulmanas permitir aos EUA usarem seu espaço aéreo, portos e territórios como “plataformas de lançamento” para atacar o Iraque.

“Resistir aos invasores é um dever individual de todo muçulmano. Se o inimigo invade um país muçulmano, o povo daquele país deve resistir e expulsa-lo de seu território... É um dever individual de todos os muçulmanos daquela nação, homem e mulher,” ele enfatiza.

“Se o povo atacado tem sucesso em forçar os inimigos para for a, tudo bem. Mas se eles falharem, é então responsabilidade das nações muçulmanas vizinhas defende-los, ” declara o conhecido estudioso.

Perguntado sobre o que diz o Islã a respeito da participação na Al-Jazeera Shield Force formada pelas nações do Conselho de Cooperação do Golfo e se é permitido à essas tropas se reunirem no Kuwait, Shaikh Al-Qaradawi disse “é permitido a eles defenderem o Kuwait se este for atacado, mas é absolutamente Haram (proibido) que eles participem de qualquer ataque ao Iraque.”

Ele prosseguiu dizendo que qualquer nação árabe ou muçulmana que ajudar na agressão a um país muçulmano está pecando e cita um Hadith do Profeta Muhammad (SAAWS), narrado por Abu Hurairah, que “aquele que ajudar na morte de um crente, mesmo que seja por meia palavra, encontrará com Allah (no Dia do Julgamento) tendo escrito entre seus olhos ‘sem esperança da Misericórdia de Allah’”.

O proeminente estudioso muçulmana disse que essa Guerra dos EUA tem como objetivos o total controle do petróleo iraquiano, a aniquilação do poder militar e humano do Iraque, assim enfraquecendo aos árabes, que representam um obstáculo para o Estado Sionista.

Comentando sobre a destruição dos mísseis Al-Sumood II pelo próprio Iraque, Qaradawi disse, “Cada vez que o Iraque destrói um de seus mísseis eu sinto como se um dos meus ossos tivesse sido quebrado.”

Sobre as centenas de milhares de pessoas protestando contra a guerra nas capitais do mundo, Shaikh Qaradawi diz, “Nós enquanto árabes e muçulmanos temos mais direito de dizer: ‘Não à Guerra’”.

O estudioso também reafirmou seu respeito pelo povo americano e disse considerá-lo um povo “gentil”, acrescentando que ele discorda do Governo Americano que, ele acusa, opta por uma política agressiva e criminosa contra as nações muçulmanas. Qaradawi saudou a decisão tomada pelo Parlamento Turco, que rejeitou a entrada de tropas americanas no solo turco, salientando que a Turquia tomou a posição correta, mesmo que leve a um prejuízo de bilhões de dólares

Qaradawi acrescentou que a posição do Parlamento Turco se opõe totalmente a posição dos líderes Árabes que “falharam diante do Islã e dos seus povos ao reunirem-se em apoio ao Governo Americano, dando-lhes livre acesso aos seus territórios, aeroportos e portos e talvez até contribuindo na conta da guerra.”


http://www.islam-online.net/english/News/2003-03/08/article09.shtml


Tradução: Irmã Mariam Polga