Boicote aos Produtos Americanos e Israelenses

 

Data da Fatwa: 04/Abril/2002

Questão: As-Salamu Alaikum. É permitido comprarmos produtos de Israel, mesmo que esse dinheiro seja usado para fortalecer a “máquina de guerra” israelense?  Gostaria que o Sheikh Qaradawi respondesse à minha questão, se possível.

Nome do Mufti: Sheikh Yusuf Al-Qaradawy

Resposta: Wa ‘Alaykum As-Salam Warahmatullahi Wabarakatuh.

Em Nome de Allah, O Clemente, O Misericordioso.

Todo o louvor e gratidão são para Allah, e que a paz e as bênçãos estejam com Seu Mensageiro.

Antes de mais nada, gostaríamos de agradecer-lhe sua grande confiança em nós. Esperamos que nossos esforços correspondam às suas expectativas.

Caro irmão, em resposta à sua questão, o Sheikh Yusuf Al-Qaradawi, afirma: “É Jihad libertar as terras islâmicas  das mãos daqueles que as atacam ou conquistam. Eles são inimigos do Islã. Tal jihad é uma obrigação absoluta e um dever sagrado. Tal dever recai primeiro no povo da terra atacada. Se os muçulmanos locais não conseguirem oferecer resistência suficiente, então os muçulmanos dos países vizinhos são obrigados a ajudá-los. Se isso ainda não for o suficiente, então todos os muçulmanos do mundo devem se empenhar. A Palestina é a terra da primeira Quibla dos muçulmanos, a terra da Isra’ e Mi’raj, a terra da Al-Aqsa e o território abençoado.  Os conquistadores são os maiores inimigos do islã e são apoiados pelo mais forte estado sobre a terra – os EUA – e pela comunidade judaica internacional. O Jihad é obrigatório contra aqueles que tomam a terra e expulsam seus habitantes, derramam o sangue, violam a honra, destroem as casas, queimam os campos e corrompem a terra.

Jihad é a primeira de todas as obrigações e o primeiro dever da Ummah. Os muçulmanos são comandados para cumpri-la, primeiro os habitantes do território, depois seus vizinhos e finalmente todos os muçulmanos. Nós precisamos estar todos unidos contra o agressor. Nós estamos unidos no Islã, incluindo a união de crença na Shari’ah, união de crença na Quibla, e também união na dor e na esperança. Como diz Allah, O Todo-Poderoso: “Em verdade, a sua Ummah é uma e única Ummah.” (Quran, 21:92). E Allah, O Todo-Poderoso também diz: “Certamente os crentes são uma única irmandade.” (Quran, 49:10) Há um Hadith do profeta, que a paz e as bênçãos estejam com ele, que diz: “O Muçulmano é um irmão para o Muçulmano; ele não pode oprimi-lo, desistir dele ou humilhá-lo.” [transmitido por Muslim]. Agora vemos nossos irmãos e nossas crianças em Al-Aqsa e na abençoada terra da Palestina generosamente sacrificando seu sangue, dando suas almas voluntariamente no caminho de Allah. Todos os muçulmanos devem ajuda-los do modo que puderem. (Ver o Sagrado Quran, 8:72). Se as pessoas pedem em nome da religião, nós devemos ajudá-los. O veículo dessa ajuda é um completo boicote aos produtos do inimigo. Cada riyal, dirham...etc, usado para comprar seus produtos pode se tornar eventualmente balas disparadas nos corações dos irmãos e crianças na Palestina. Por esse motivo, é uma obrigação não ajuda-los (os inimigos do Islã) comprando seus produtos. Comprá-los é apoiar a tirania, a opressão e a agressão. Comprar seus produtos é fortalece-los, e nosso dever é enfraquece-los o máximo que pudermos. Se seu enfraquecimento só pode ser conseguido pelo boicote, nós precisamos boicotá-los. Os produtos americanos, assim como os “israelenses” , são proibidos. É também proibido anunciar tais produtos. A América é hoje em dia uma segunda “Israel”. Ela apóia totalmente a entidade sionista. O usurpador nada pode sem o apoio da América. O usurpador nada pode fazer sem o apoio da América. A destruição e o vandalismo injustificáveis perpetrados por “Israel”, utiliza dinheiro americano, armas americanas e o veto americano. A América tem feito isso à décadas sem sofrer as conseqüências de qualquer punição ou protesto quanto à sua posição preconceituosa e opressiva frente  ao Mundo Islâmico. É o momento da Ummah Islâmica dizer “NÃO” à América,  “NÃO” às suas companhias, que inundam nossos mercados. Nós estamos comendo, bebendo, vestindo e dirigindo tudo que a América produz. Ali, que Allah esteja contente com ele, disse: “Você tem três inimigos: seu inimigo; o amigo de seu inimigo; e o inimigo de seu amigo.” Os EUA são mais que amigos de nossos inimigos; eles se autodestruição por Israel.

A vasta Ummah de 1,3 bilhões de pessoas pode ferir os EUA e suas empresas através do boicote. Esta é uma obrigação religiosa, e um modo de servir a Allah. Todo muçulmano que compra produtos americanos ou “Israelenses”, quando tem alternativas de outras nações, está cometendo um ato haram. Ele está claramente cometendo um pecado grave, que é um crime contra a lei de Allah, que invoca a punição de Allah e o desprezo do seu povo. Nossos irmãos em “Israel” e na América são forçados a lidar com os inimigos e comprar seus produtos. Allah não lhes pede que façam o que não podem fazer; apenas o que podem. Allah diz: “Temam Allah o quanto são capazes.” (Quran, 64:16) O Profeta, que a paz e as bênçãos estejam com ele, disse: “Se eu lhes ordeno algo, façam-no o quanto puderem.” Os muçulmanos na América têm que trabalhar nas empresas que são menos hostis aos Muçulmanos, menos aliadas aos Sionistas. Boicotem empresas sionistas o máximo que puderem. Árabes e muçulmanos devem boicotar todas as empresas que estão ligadas ao sionismo e que dão apoio à Israel, qualquer que seja o país de origem da empresa.

O boicote é uma arma muito afiada, usada no passado e recentemente também. Foi usada pelos pagãos em Mecca contra o Profeta Muhammad, que a paz e as bênçãos estejam com ele, e seus companheiros. Causou-lhes grandes dificuldades; eles tiveram até que se alimentar de folhas. Também foi usado pelos companheiros do Profeta, que a paz e as bênçãos estejam com ele, para combaterem os pagãos em Medinah.

Há pouco tempo vimos nações usarem o boicote em sua luta para libertar-se do colonialismo. Um exemplo famoso é Gandhi que pediu à vasta nação indiana para boicotar os produtos ingleses, o que foi muito eficiente.

Um boicote está nas mãos da nação e das massas. Governos não podem forçar as pessoas a comprar produtos de um país em particular. Vamos usar essa arma para resistir aos nossos inimigos nacionais e religiosos, e faze-los saber que ainda estamos vivos, e que esta Ummah não morrerá, se Deus quiser.

O boicote tem muitos efeitos diferentes; ele renova  a educação da Ummah sobre como se libertar da servidão ao gosto alheio. Nossos inimigos nos encorajam a nos viciarmos em coisas que não nos trazem nenhum benefício, mas na verdade nos fazem mal. O boicote também é uma demonstração da fraternidade muçulmana e da unidade da Ummah. É nosso dever dizer que não vamos trair nossos irmãos, que se sacrificam a cada dia. Nós não vamos participar do lucro dos nossos inimigos. Este boicote é uma resistência passiva, que ajuda a resistência ativa levada adiante pelos nossos irmãos na terra dos Mensageiros e fronteira fortificada do Jihad. Se cada judeu no mundo considera a si mesmo como um soldado, apoiando “Israel” o máximo que ele pode, certamente cada Muçulmano deve usar sua alma e bens como um soldado para libertar Al-Aqsa. O mínimo que um muçulmano pode fazer é boicotar os produtos de seus inimigos. Allah diz: “Oh crentes, vocês são guardiões uns dos outros. Se não fizerem isso haverá grande divisão e corrupção.” (Surah 8; 73 )Se o consumidor ao comprar produtos americanos e judaicos comete um pecado grave, certamente o comerciante que compra essa mercadoria e a revende é um pecador ainda maior. Mesmo se a empresa trabalha sob um nome diferente, eles sabem que estão enganando as pessoas.

 A Ummah muçulmana em todo o mundo está sendo chamada à demonstrar sua existência e se empenho em proteger o que é sacrossanto. A Ummah é proibida de se entregar à fraqueza e depressão, e aceitar a paz da tirania, que os Sionistas querem impor. Diz Allah: “Não fraquejeis, pedindo a paz, quando sois superiores e sabei que Allah está contigo”. (Quran, 47:35)

Nossas irmãs, esposas e filhas, que controlam os lares, têm um grande papel a cumprir neste assunto, que é mais importante que o papel dos homens, porque as mulheres supervisionam as necessidades da casa, e compram aquilo que entra nas casas. Elas também têm nas mãos a orientação dos meninos e meninas. São elas que plantam o espírito do jihad nas crianças, e as educam no que devem fazer pela Ummah, e como devem agir quanto aos inimigos da Ummah, especialmente na estratégia do boicote. Quando as crianças entendem esse ponto, elas aderem entusiasticamente ao boicote, muitas vezes estimulando e “liderando” seus pais.

Eu peço a todos os que crêem em Allah, inclusive aos Cristãos, e a todas as pessoas livres e nobres deste mundo que se juntem a nós, e apóiem o correto e verdadeiro contra a falsidade, e a justiça contra a injustiça. Auxiliem a vitória dos fracos, que são mortos a cada dia na senda de Allah, protegendo o Nobre Santuário.

Eu também peço a todo o povo dos países Árabes e Muçulmanos ao redor do mundo que apóiem os Palestinos na sua causa justa, e que demonstrem sua ira contra os tiranos poderosos, enfraquecendo seus negócios o máximo que puderem.

Finalmente eu peço àqueles que são mais sábios e experientes que organizem em cada país grupos para coordenar o boicote, criando alternativas e evitando os problemas, e educando as pessoas, até que a verdade seja erguida bem alto e a falsidade seja destruída. Pois certamente o será. “Diga-lhes ‘trabalhem’, pois Allah terá ciência do vosso trabalho, assim como Seu Mensageiro e os fiéis; logo retornareis ao Conhecedor do cognoscível e do incognoscível, que vos informará de tudo quanto fizestes.” (Surah 9; 105)

Esta Fatwa é baseada em provas do Quran e da Sunnah e no consenso da Ummah.”

E Allah, o Todo-Poderoso, sabe mais.

Tradução: Irmã Mariam Polga.