Em Busca da Verdade

(Salman al Farissi)

 *E aqueles que se esforçarem na nossa causa, os guiaremos ao nosso caminho*

(Alcorão Sagrado)

Com o passar dos tempos, a verdade emanada de Deus foi sendo ocultada, sendo raros aqueles que ainda tinham esta verdade como orientação...

Ficava mais difícil para o homem que tem boa intenção e quer bem entender e dar sentido à sua vida achar a orientação correta e pura de Deus...

Boa intenção e entendimento, fatores sobre os quais detalhamos na explicação da fé e da prática que leva à salvação, qualidades que estavam presentes num homem que viu a necessidade de procurar entender o significado da vida e saiu à procura de orientação com vontade e determinação...

Ele mesmo conta-nos como partiu de seu país natal, sacrificando sua vida estável com os bens que seu pai possuía, pela causa da verdade, tornando-se o mais pobre materialmente, porém o mais rico em conhecimento sobre Deus e Sua orientação...

Ele entendeu que não há riqueza nem prazer neste mundo que possa substituir a fé em Deus e a adoração à Ele, por isso vendeu tudo em troca da busca desta fé... enquanto outros fazem o oposto, vendem a fé que leva à felicidade eterna  ao lado de Deus pela matéria passageira que logo nos abandonará, sendo iludidos pelos enfeites da vida, fato que não ocorreu com este homem, que viu no sacrifício e luta o caminho para a felicidade...

Sobre esta luta, sacrifício e dedicação o poeta disse:

Disseram: A felicidade está na tranqüilidade,na preguiça e no descanso

Na vida entre a família, não a vida do imigrante e exilado

No andar atrás da caravana (sem contrariá-los) com total apoio seguindo os seus passos

Em repetir o que falam, sem oposição e nem respostas

Em andar com o rebanho,e ser guiado e não guiar

Em falar para toda liderança:viva o mandato de vossa alteza

Eu disse: A vida é o movimento, não a tranqüilidade, nem a vagareza

É o esforço, porém, se esforça quem cujo costume é ficar sentado?

A vida e a felicidade é o prazer com o cansaço, não o prazer com o descanso

É que você defenda a verdade com quem defende, e que homem livre não defende?

Em outros versos, o mesmo poeta diz:

A felicidade é que você viva para a ideologia da verdade,

Para a fé que carrega o assunto do universo no qual vivemos,

E responda o que pergunta o duvidoso consciente,

De onde eu vim?, para onde vou?, para que fui criado?, será que eu voltarei?,

Introduzindo na alma a convicção, e expulsando a dúvida que teima,

E ensine o pensamento correto, e construa homens corretos,

Fazendo voltar para a senda reta toda consciência perdida,

Para que seus olhos fiquem direcionados para o horizonte para o grande objetivo

Vivendo assim, nesta vida, para uma outra vida, que não acaba e não tem fim,

E ligando a sua terra ao céu, e aos anjos que testemunham,

Esta crença para o feliz, é a base, é a sustentação

Quem viver a carregando, e citando o seu nome é o feliz. (*)

O homem do qual queremos aqui lembrar viu na luta pela verdade a felicidade, viu na oposição ao erro, mesmo que este erro seja o caminho da maioria, o caminho para a honra. Por isso, a história de sua vida ficou registrada para aqueles que querem um modelo de perseverança na busca da verdade, um exemplo de determinação e demonstração de liberdade dos seres humanos, porém submissão à Deus.

Este foi Salman, o persa, cuja história o profeta Muhammad, gostava de ver Salman transmiti-la pessoalmente aos seus companheiros para que dessem valor à crença que chegou até eles e entendessem a relação do profeta Muhammad com os profetas anteriores à ele através da espera de sua profecia pelos monoteístas que permaneciam na religião de Jesus.

O próprio Salman nos transmite a sua história através do relato de Ibn Abbas, que o ouviu dizer:

  Eu era um jovem persa de "Assbahan", de uma aldeia chamada "Jaii". Meu pai era o chefe de sua aldeia e amava muito... Eu me esforcei no zoroastrismo ao ponto de ser o servidor do fogo que o acende e não o deixa apagar. Meu pai possuía grandes terras... e, certo dia ocupou-se numa de suas obras e me disse: "Estou muito ocupado com uma obra,por isso vá e supervisione as terras", e me ordenou a fazer alguns serviços e me orientou a não demorar, pois se demorasse, se ocuparia comigo e esqueceria tudo. Saí em direção ao lugar que me ordenou ir, quando então, passei em frente a uma igreja, ouvi suas vozes enquanto rezavam, acabei entrando e gostei de suas orações e pensei comigo..."Esta religião é melhor que a religião que possuímos", não sai de lá antes do por do sol e deixei de ir às terras de meu pai.

Perguntei a eles: Onde é a origem desta religião? Disseram: Na Assíria. Voltei até meu pai, que já havia mandado seus homens a minha procura, e abanado seu trabalho por minha causa, tamanha era seu zelo e preocupação comigo. Quando cheguei disse-me: "Ó meu filho, onde estavas?...". Eu respondi: "Pai, eu passei por algumas pessoas rezando numa igreja e me simpatizei com o que vi da religião deles, e juro, permaneci lá até o por do sol." Meu pai retrucou e disse: "filho, não há nesta religião que vistes nenhum bem, a sua religião e a religião de seus pais é melhor" Eu disse-lhe: "Não, aquela religião é melhor que a nossa" Após o acontecido, temeu que eu fugisse ou freqüentasse aquele lugar, então me amarrou e me prendeu em sua casa.

 Combinei com os cristãos daquela igreja para que me avisassem quando vier até a região uma caravada da Assíria para que viajasse com eles até lá. Logo uma caravana de comerciantes daquela região apareceu e me informaram, e pedi que assim que acabarem os seus afazeres na região me informassem para que me levassem junto com eles. Quando quiseram voltar me informaram, e consegui tirar as correntes dos meus pés, e fui ao encontro deles e viajei com eles até que cheguei a Assíria. Quando lá cheguei, perguntei: Quem é o mais sábio dos seguidores desta religião? Disseram: O sacerdote, na igreja.Me dirigi à igreja e disse ao sacerdote: Eu gostei desta religião, e gostaria de ficar contigo, te servir em sua igreja, aprendendo e rezando contigo". Me recebeu e vivi com ele aprendendo e rezando, porém, era um mau elemento, ordenava as pessoas a fazerem donativos e os incentivava e os pegava para si em vez de distribuí-lo aos pobres. Por isso, o odiei um ódio ferrenho pelo que vi dele. Quando morreu e quiseram enterrá-lo, eu lhes disse: "Este era um mau elemento, lhes ordenava fazer donativos e quando vocês os traziam, ele os levava para si e não os distribuía aos pobres". Disseram: "Como sabes?". Disse-lhes: "Eu vos levo até o seu tesouro!!". Foram até o lugar e encontraram o que juntava... e disseram: "Não iremos enterrá-lo", crucificaram-no e apedrejaram-no. E trouxeram outro homem para o seu posto...

  Nunca vi um homem melhor que este segundo, esforçado dia e noite... gostei dele como nunca havia gostado de alguém e fiquei com ele por um longo tempo, até que chegou a hora de sua morte, quando disse-lhe: "Ó fulano, estive contigo e gostei de você como nunca gostei de alguém antes, e agora está a ocorrer do decreto de Deus o que vês. Quem me recomendas? O que me ordenas?. O sacerdote respondeu: "Meu filho, juro por Deus, não conheço mais ninguém hoje que está no caminho no qual estamos, pois as pessoas se destruíram, deturparam e deixaram a maior parte do que estavam a seguir, senão um homem em "Maussil", cujo nome é "fulano" e segue este nosso caminho, pois te recomendo procurá-lo"

  Quando foi enterrado fui até o homem que me havia recomendado, e disse-lhe: "Ó fulano, fulano me recomendou antes de morrer vir até você, e me informou que está no seu caminho". O homem disse-me: "Viva comigo".