Batalha de Uhud: A Obediência e seus Benefícios

A Desobediência e seus Prejuízos

A batalha de Uhud ocorreu no mês de Shauwal do terceiro ano após a hegira do profeta Muhammad. Ocorreu após a batalha de Badr, na qual os muçulmanos venceram e recuperaram muitos dos seus bens deixados em Makkah devido à imigração que fizeram para Madina sem poderem levar nada por causa da perseguição e ameaça impostas pelos idólatras.

Os idólatras quiseram vingar os prejuízos sofridos em Badr, prejuízo moral, financeiro e de vidas. Por isso dirigiram-se à Madina para travar uma nova batalha. Mais uma lição de vida para os muçulmanos daquela época, a época da revelação do Alcorão, e de todas as épocas, pois Deus revelou sessenta versículos (121-179 (Al Imran)), registrando as lições de "Uhud". Lições de fé para todo crente em toda época e lugar, lições de perseverança para todo pregador que carrega a bandeira da religião de Deus e esforça-se na sua divulgação. Devemos ler estes versículos e refletir profundamente sobre os infinitos significados que carregam, pois são palavras de Deus, Infinito e Eterno, que quer o nosso benefício com estas aulas, orientando-nos e iluminando nosso caminho.

Ao saber da vinda dos idólatras para Madina, o profeta resolveu sair para fora da cidade, para proteger a cidade do ataque inimigo, por isso dirigiu-se com seu exército para Uhud, uma cadeia de montanhas situada em Madina, onde travaria a batalha sem que o exército inimigo chegasse à cidade. Lá posicionou aproximadamente cinqüenta de seus companheiros, todos com arco e flecha, em uma pequena montanha, depois conhecida como "montanha dos atiradores". Os posicionou lá para impedirem o avanço do inimigo sobre o exército muçulmano, assim tinham os atiradores acima do monte como escudo e proteção, enquanto os que permaneceram em terra batalhavam sem o avanço em massa dos inimigos. O profeta delegou a liderança deste grupo (dos atiradores) à Abdullah ibn Jubair e disse-lhes: "Permaneçam em suas posições. Se perceberem que estamos vencendo não desçam, e se perceberem que estamos sendo derrotados também não desçam para nos ajudar". Quando a batalha teve início e viram os muçulmanos vencendo começaram a descer. Abdullah ibn Jubair gritou: "Não desçam! O mensageiro de Allah não lhes ordenou permanecer em suas posições?. Alguns atenderam à ordem, outros desceram. O exército inimigo percebeu a falha e fez uma incursão sobre o exército inimigo, fazendo a vitória tornar-se uma derrota na qual foram mortos setenta dos grandes companheiros do mensageiro de Deus. Abu Sufian, líder dos coraixitas na ocasião, disse: "Um dia (de Badr) por um dia (de Uhud), vocês encontrarão entre seus mortos esquartejo e horrores que não ordenei serem feitos, porém não me desagradaram".

Até hoje, há em Madina um cemitério denominado "cemitério dos mártires" em Uhud, no qual Muáuiah enterrou os corpos dos mártires de Uhud após serem atingidos por uma enchente que ocorreu em sua época.Esta cadeia de montanhas e este cemitério são visitados pelos muçulmanos, que além de visitar devem eternizar a lembrança desses dias e dessas lições...

1. A promessa de Deus não falha. É um compromisso infalível... (al imran 9) (loqman 33) (Ibrahim 42,47) (al hajj 47). Deus determina que a vitória é dos muçulmanos e que eles prevalecerão, porém Ele também diz:* Ó crentes, se socorrerdes a Allah (serem fiéis à Ele) Ele vos socorrerá e firmará vossos passos* (47:7). Portanto, para que mereçam prevalecer e ter a vitória, devem, antes de mais nada, elevar-se ao nível que os torna merecedores da vitória e da proteção de Deus. E isto ocorre quando estes muçulmanos cumprem as ordens de Deus e são disciplinados seguindo a senda reta estabelecida por Deus.

Deus estabeleceu a guerra para a defesa da verdade...*Em verdade, Allah defende os crentes, porque Allah não aprecia nenhum traidor e ingrato. Ele permitiu o combate aos que foram injustiçados; em verdade, Allah é Poderoso para socorrê-los. São aqueles que foram expulsos injustamente dos seus lares, só porque disseram: Nosso Senhor é Allah! E se Allah não tivesse refreado os instintos malignos de uns em relação aos outros, teriam sido destruídos mosteiros, igrejas, sinagogas e mesquitas, onde o nome de Allah é freqüentemente celebrado. Sabei que Allah socorrerá quem O socorrer, em Sua causa, porque é Forte, Poderosíssimo* (22:38-40)

E estabeleceu que quem merece a vitória... *São aqueles que quando os estabelecemos na terra, observam a oração, pagam o zakat, recomendam o bem e proíbem o ilícito. E em Allah repousa o destino de todos os assuntos. Porém, se te desmentem, o mesmo fizeram, antes deles, os povos de Noé, de Ad e de Samud. O povo de Abraão e o povo de Lot. E o povo de Madian os desmentiram; também foi desmentido Moisés. Então tolerei os incrédulos; mas logo os castiguei, e que rigorosa foi a Minha rejeição. Quantas cidades destruímos por sua iniqüidade, transformando-as em ruínas, com os poços e os castelos fortificados abandonados! Não percorrem eles a terra? Não possuem corações com os quais compreendem, e ouvidos com os quais ouvissem! Todavia, a cegueira não é a dos olhos, mas a dos corações que estao em seus peitos*(22:41-46)

Nos versículos acima percebemos também que a batalha travada pelos muçulmanos não é uma luta por bens ou liderança e monopólio, porém é uma luta contra aqueles que lutam contra Deus e impedem os muçulmanos de professarem e dizerem a verdade, querendo usurpar suas riquezas, monopoliza-los e deteriorar os valores morais de vossos povos. Por isso, utilizam o termo "pela causa de Deus", por isso lutam para morrer, por isso lutam para vencer com uma de duas alternativas: Ou a vitória, fazendo a verdade prevalecer ou o martírio, obtendo a vida eterna.Assim foi a luta de todos os profetas, por isso os versículos citam vários exemplos do esforço de vários profetas no sentido de esclarecer a seus povos e a oposição que sofreram. Por isso, os muçulmanos são sempre vitoriosos, mesmo que transpareça a derrota e os seus opositores e inimigos são os derrotados e fracassados mesmo que transpareça a vitória. A verdadeira vitória e o sucesso duradouro é seguir a verdade revelada por Deus desde Adão, passando por Noé, Abraão, Moisés, Jesus, até Muhammad, por isso Deus conforta os crentes que vêem a incredulidade, blasfêmia e selvageria contra Deus e sua religião prevalecendo dizendo-lhes: *Que não te enganem, pois (ó Muhammad), as andanças (mercantilistas) dos incrédulos, na terra. Um gozo ínfimo e sua morada será o inferno. Que funesta morada! Entretanto, aqueles que temem a seu Senhor terão jardins, abaixo dos quais correm os rios, onde morarão eternamente, como dádiva de Allah. O que está ao lado de Allah é o melhor para os virtuosos* (3:196-198) Em outros versículos Deus também cita que a vitória da incredulidade é uma tolerância e a derrota dos crentes (e não dizemos da fé, pois a fé nunca é derrotada, pois é de Deus) é um exame... (al Imran 178-179)

Portanto, este prevalecer passageiro que ocorre nas mais variadas épocas e lugares ocorre como lição aos crentes que acabaram por distanciar-se de Deus.Por isso, nas lições da batalha de Uhud, Deus diz: *Allah cumpriu a Sua promessa quando, com a Sua permissão, os aniquilastes, até que fracassaram, discordaram acerca da ordem e desobedeceram,após Allah vos ter mostrado tudo o que aneláveis. Uma parte de vós ambicionava a vida terrena, enquanto a outra aspirava à Futura. Então Allah vos desviou deles para provar-vos; Ele vos inocentou, porque é Agraciante para com os crentes* (03:152)

Nestas lições de Uhud, Deus nos mostra como cumpriu a promessa que citamos acima, cumpriu a promessa da vitória e do socorro. Porém, disse: ...até que fracassaram, discordaram acerca da ordem e desobedeceram após Allah vos ter mostrado tudo que aneláveis... . Após Allah lhes ter dado o que tanto desejam, após ter vos socorrido, vocês fizeram por desmerecer tudo isto. Em vez de ter firmeza fracassaram, em vez de ter união desuniram-se, em vez de obedecerem desobedeceram. Desuniram-se, sendo que uma parte desceu do monte e outra parte ficou. Desobedeceram a ordem do mensageiro que vos comprometeu a firmar e permanecer em cima do monte. Por isso, fracassaram... uma parte de vós ambicionava a vida terrena, enquanto a outra aspirava à futura... . Depois, cada grupo dirigiu-se para seus lares, e esta foi uma prova para os crentes...  então Allah vos desviou deles para provar-vos, Ele vos inocentou, porque é Agraciante para com os crentes.

Ninguém tem parentesco com Deus e nem é preferido por Deus senão pela sua obediência à Ele. Os companheiros do profeta, com o nível de fé e obediência que tinham foram postos à prova e mostraram poder superar as adversidades com a fé, a prática e o preparo. E esta lição vale para hoje e para todos os tempos. Que os muçulmanos hoje, chorem lágrimas de sangue pelo que fazem sem procurar a licitude ou ilicitude, que lembrem das obrigações não cumpridas, dos pecados diariamente praticados. E que olhem, depois, para um pequenos descumprimento da ordem profética na época da revelação que ocasionou a derrota. Hoje, nós desafiamos a Deus descumprindo suas ordens, e dizemos ser os representantes de sua fé entre as pessoas, nos denominamos muçulmanos, porém alguns de nós chega a zombar dos virtuosos e obedientes que procuram na aproximação à Deus o socorro de Deus. E ontem, simplesmente, deixaram suas posições de cima do monte, não por descumprimento à ordem do profeta, mas por empolgação, por pensarem ter sido finalizado o confronto e Deus os mostrou e nos mostrou que o cumprimento do determinado leva à vitória e o descumprimento traz prejuízos incalculáveis.

Por isso, hoje, a Palestina é devastada e a mesquita de al Aqsa destruída, outras várias comunidades muçulmanas invadidas em nome da justiça, em nome da "salvação" de nossos povos... Líbano, Chechenia e outras repúblicas do Cáucaso, Afeganistão, Indonésia, China, etc.. Querem dominar as riquezas naturais das comunidades muçulmanas, enquanto os muçulmanos, ontem respeitavam todas as comunidades e lhes davam autonomia e liberdade, deixando tudo o que a Europa possuía aos seus donos originais e, mais ainda, acrescentando a estas riquezas outras com o desenvolvimento da ciência, que hoje, pensam ser a Europa o precursor desta ciência e querem monopolizá-la e fazê-la propriedade de alguns países.

Quando os muçulmanos voltarem à Deus, a verdade voltará a prevalecer e seremos merecedores do socorro de Deus destes desertores e invasores. Portanto, eis o primeiro passo: a obediência à Deus e Seu mensageiro. Se quisermos ser respeitados devemos respeitar a Deus e, depois respeitar a nós e aos seres humanos em geral. Quando estivermos firmes no respeito à Deus e suas ordens, teremos o seu socorro. Quando lembrarmos d'Ele, Ele lembrará de nós e quando esquecermos Ele esquecerá. E se tivermos Sua ajuda e socorro sem merecer, este não é um socorro, mas uma tolerância e exame.

2. Ao ler sobre a batalha de Uhud no Alcorão aprendemos que o fracasso ocorre por duas razões principais: o pecado e a desobediência de todos ou de alguns... (165) (155)

O decreto de Deus, que alterna os dias entre os humanos, dias de vitória sucedidos de derrota, dias de saúde sucedidos de doença, dias de riqueza sucedidos de pobreza, dias de comodidade sucedidos de adversidade e vice-versa. Tudo isso para ensinar ao ser humano que nada permanece como está e como é senão Deus e a verdade emanada d'Ele. O homem tem dias a favor e dias contra como teste e exame nesta vida, para lhe serem retribuídas suas ações nos dias em que viverá sem mudanças e variações, em conforto ou sofrimento... (140-141) (165-166)

Estas são as causas principais do fracasso, porém, devemos saber que outros fatores quando existem constroem o sucesso, assim como quando ausentes podem ser a causa do fracasso. Dentre eles, podemos citar: o planejamento, o preparo, o estudo, etc. Sobre fatores como estes, o mensageiro de Deus nos ensina a seguir o caminho do sucesso em todos os assuntos dizendo: "ihriss...".

3. O caminho da senda reta é repleto de obstáculos e dificuldades, principalmente o caminho dos sábios e pregadores desta verdade. Por isso, o Alcorão alerta os crentes para que tenham perseverança e os avisa que o descanso não ocorre nesta vida, mas sim na vida eterna,e de acordo com o esforço e perseverança aqui teremos um descanso e conforto maior ao lado de Deus. Disse Deus, o Altíssimo: al Baqara" . E dentre as dezenas de dizeres do profeta Muhammad sobre a paciência, ele diz: "ajaban".

Um dos inúmeros lutadores que nos antecederam neste caminho, ensinando as pessoas e sacrificando-se para fazer a religião chegar às pessoas, o imam Ahmad ibn Hambal, certo dia, foi perguntado: "Quando descansarás?". Ele disse: "Quando colocarmos o pé no paraíso!!".


Sheikh Ahmad Mazlum, Imam e Khatib da Mesquita de Mogi das Cruzes