Seguindo os passos do bem-amado Muhammad

 

Episódio 6: A Primeira semana depois da revelação

Em Nome de Allah, O Misericordioso, O Misericordiador! Louvado seja Allah, Senhor do Universo e que a paz e as bênçãos de Allah estejam com o Mensageiro de Allah!

Antes de continuar com a biografia do Profeta, gostaria de perguntar como está indo o Ramadan? Você está se sentindo mais próximo de Allah? Como vão suas orações noturnas e suas súplicas? Como vai a leitura do Quran? Quantas vezes pensa em completar a leitura do Quran?  Estamos agora no sexto dia de Ramadan , o que significa que quase a quarta parte do mês já passou.

Posso imaginar o Ramadan nos dizendo: “Virei e irei, mesmo que você goste ou não, mesmo você tenha adorado a Allah ou Lhe desobedecido. Mas quando eu me for levarei uma parte de sua vida comigo. Virei todos os anos e levarei uma parte de sua vida e assim será até você morrer. Então serei uma das razoes do seu êxito ou do seu arrependimento.”

Um jovem me comoveu quando me escreveu dizendo que havia imaginado que o Ramadan era como uma última oportunidade, que havia falado com Allah e havia dito que reconhecia seus pecados e que Lhe pedia uma última oportunidade... Então Allah Lhe havia concedido o mês de Ramadan como sua última oportunidade. Porque não imaginamos que Allah nos concedeu essa última oportunidade também, para adorá-Lo como nunca havíamos feito antes?

Agora, permitam-me voltar ao nosso episódio. Hoje nosso episódio consiste em só tema: “A primeira semana após a revelação”.

Gostaria de lhe pedir hoje que usasse a sua imaginação e visualizasse o que fez o Profeta nessa primeira semana. Quero que você o veja descendo a montanha, correndo, com medo e tremendo de frio. Voltou a sua casa cansado e assustado, dizendo a sua esposa: “Cubra-me, cubra-me”. Você pode imaginar o que o Profeta estava sentindo? Quero que você siga visualizando o seu estado. Sentia medo e frio. Este fato demonstra por si só que ainda não sabia que era Profeta ou que a criatura que havia lhe visitado era o Anjo Gabriel. Nem sequer sabia se o que lhe havia acontecido era bom ou mau. Estava assustado por que Gabriel lhe apareceu em sua forma angelical e não em sua forma humana. Isso deve ter sido realmente carga pesada ao Profeta, ainda mais quando recordamos o versículo do Quran que diz:

“Se tivéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, tê-las-ias visto humilhar-se e fender-se, por temor a Allah, Tais exemplos propomos aos humanos, para que raciocinem.” (59:21) (1)

Quando sua esposa lhe perguntou o que havia ocorrido ele disse: “Temi pela minha própria vida” e começou a narrar a extraordinária experiência que havia vivido. Como respondeu a Senhora Khadija? Sua resposta foi rápida e firme. Ela disse: “Não, por Allah! Allah nunca te desonraria! Você mantém a relação com seus familiares, apoia e ajuda ao débil, ajuda ao pobre e ao necessitado, é generoso com os seus convidados e suporta as injúrias no caminho da verdade.” (2)

Foi narrado que após o Profeta ouvir as suas palavras relaxou e se tranqüilizou.

Estas palavras contém um significado precioso. Quero aconselhar as mulheres uma fórmula que consta de 3 habilidades que ajudará a conservar vossos maridos ao vosso lado. Como sabemos existem numerosas tentações nesse mundo e a vida é difícil. Portanto se você quer conservar seu marido e fazer com que nunca ele deseje lhe abandonar, faca como sua mãe Khadija fez.

O que fez a Senhora Khadija, mesmo que não tivesse uma solução para ele?

1- Deu-lhe firmeza e levantou sua moral. Os homens são fortes como regra geral, mas quando um homem encontra alguns problemas ou algo dá errado necessita que sua esposa lhe conforte, inclusive se ela mesma se sinta débil nessa situação. Então ela será os braços que sempre lhe ampararão e onde ele poderá encontrar refúgio. Quando um homem sente o apoio de sua esposa, você não imagina a enorme energia que adquire.  Glorificado seja Allah que criou o homem e a mulher um como complemento do outro. Allah diz: nissa 1

2- A segunda coisa que fez a Senhora Khadija, depois de lhe dar ânimo e recordar-lhe as suas grandes qualidades foi escutá-lo. Muitas mulheres quando se encontram nessa situação choram e lamentam o infortúnio de seus maridos, o que lhes aumenta mais a preocupação. Não, primeiro você deve tranqüilizá-lo depois escutá-lo. A Senhora Khadija escutou o Profeta SAAS.  Um homem quando chega no final do dia cansado do trabalho, deseja falar  com alguém intimo a ele. Quem é mais intimo a um homem do que sua esposa? Ele deseja falar contigo e você deve escutá-lo atentamente sem reprová-lo. Se o homem sente que cada vez que fala com a sua esposa ela lhe critica, deixará de explicar os seus problemas ou sentimentos e buscará alguém fora de casa para conversar e você já sabe aonde isso pode levar. A Senhora Khadija costumava escutá-lo sem reprová-lo. Por isso o Profeta  se dirigiu a ela, ao invés de buscar ao seu tio ou seu melhor amigo, como fazem tantos homens hoje. Estes homens estão equivocados. Não dão as esposas a  oportunidade de estar ao seu lado, não falam com elas.

3- Compartilhar seus interesses. Como você pode se aproximar de seu marido se não tem nada em comum, se não compartilha de seus interesses? Quando o Profeta Muhammad estava na caverna de Hirá a Senhora Khadija poderia perfeitamente enviar comida a ele através de seus criados em lugar de ir ela mesma. Sendo assim, ela preferiu compartilhar essa experiência com seu marido. Assim, cada 10 dias ela ia até a caverna e ficava ali com ele 2 ou 3 dias. Ela não queria que aquela separação temporária colocasse uma brecha maior entre ela e seu marido. Mas observe que a Senhora Khadija ficava só 2 ou 3 dias e não todo o período, porque o que queria era compartilhar a sua experiência, se aproximar mais dele, mas sem lhe atrapalhar.

Algumas mulheres continuam tratando seus maridos da mesma maneira que tratavam nos primeiros dias de casamento, não compreendendo que seus maridos vão evoluindo. Desta maneira, um oco vai se formando entre os 2 até desaparecer a comunicação entre ambos.

Essas são as 3 regras da fórmula que lhe aconselho seguir. Creio firmemente que se imitares a tua mãe Khadija, você pode se comportar como ela: dando ânimo e apoio ao seu marido, segundo escutando-lhe, e terceiro compartilhando com ele de seus interesses.

Compara a postura que adotou a senhora Khadija nessa difícil situação com relação a seu marido e sua reação num caso parecido. Qual seria a sua posição com respeito a senhora Khadija?  Você poderia dizer: “Mas o marido de Khadija era o Profeta”. Respondo dizendo: Comporte-se com seu marido como Khadija fazia com o Profeta para que seu marido tente seguir os passos do Profeta. É só testar o seu marido e verás que ao fim ele precisa de você, precisa falar com você e precisa que você lhe escute.

Observe que o Profeta amou a Senhora Khadija mesmo depois de sua morte e isso devido a sua nobre conduta. Observe no que se concentrou a Senhora  Khadija quando elogiou as qualidades do Profeta. Não insistiu no fato de que ele era religioso e sim em sua boa moral. As virtudes morais são muito importantes.

Atualmente, as pessoas do mundo árabe são de dois tipos:

1) Religiosos com uma baixa moral.

2) Pessoas com nobre moral mas não religiosas.

Nenhum dos 2 é aceitável. O religioso com má conduta fará com que as pessoas se afastem da religião por causa de seu mau comportamento. O segundo dará as pessoas uma visão errônea , fazendo as pessoas crerem que a religião não é tão importante quanto os bons modos. Por que não podemos ser as duas coisas: religiosos e com boas maneiras?

Existem muitos ahadith que nos chamam a adotar as virtudes morais. Num deles o Profeta disse: “O que mais pesará na balança do crente no Dia do Juízo Final é sua boa moral.” (3) Em outro disse: “Os mais perfeitos na fé, entre vós, são aqueles que tem a melhor moral” (4). Em outro disse: “A coisa mais comum que leva as pessoas ao paraíso é a piedade e a boa moral.” (Tirmizi) e ainda em outro disse: “O mais querido e mais intimo a mim no Dia do Juízo será aquele dentre vocês que tenha a melhor moral.” (5)

Agora veja a confiança que a Senhora Khadija tinha em Allah. Disse: “Não, por Allah, Allah nunca te desonrará”. De onde veio esta confiança? Ela se deu conta que as boas ações nunca se perdem. Se algumas vezes você passa por momentos duros na sua vida, lembre das palavras de sua mãe Khadija, e saberás que Allah nunca lhe desonrará se você fizer boas ações. Faça todas as coisas boas que puder e pode ficar seguro que Ele nunca lhe desonrará.

O Profeta disse a Senhora Khadija: “Temi por minha própria vida!” e ela lhe respondeu: “Não, por Allah, Allah nunca te desonrará”. Porque?  Porque o Profeta tinha boas qualidades.

Você sabe agora quem foi a Senhora Khadija?

O que ela fez depois disso? Somente o tranqüilizou? Não, uma narração diz que ela o pegou pela mão e disse: “Vamos consultar alguém sobre isso!”. Percebeu como ela era positiva?

Mas para onde ela o levou? Ela disse: “Tenho um primo cujo nome é Waraqa Ibn Nawfal. Trata-se de um homem muito velho, tem quase 90 anos, mas é um homem sábio que estudou a Torá e o Evangelho muito bem.”. A senhora Kharija quis consultá-lo.

Waraqa Ibn Nawfal era um homem muito velho que havia perdido a visão por causa de sua dedicação exaustiva da leitura da Torá e o Evangelho. Era o único cristão em Makkah. Não se interessava pelos ídolos de Quraish. Era crente do verdadeiro cristianismo. É possível que Allah tenha feito ele chegar até essa avançada idade só para dizer ao Profeta essas palavras. Glorificado seja Allah Que lhe fez estudar tanto, saber a verdade e dize-la! Glorificado seja Allah Que fez com que o primeiro homem que deu ao Profeta as boas-novas da profecia fosse um cristão.

Permitam-me que pare um momento para analisar a quem a senhora Khadija foi consultar: Foi até um sábio que era fidedigno. Gostaria de dizer isso aos jovens que pedem conselhos a pessoas que não são fidedignas, pessoas que podem levá-los a perdição e a violência. Gostaria de dizer isso aos jovens que fazem as coisas sem saber se são boas ou más. Você consultou uma pessoa fidedigna?

Aprenda a consultar, aprenda com sua mãe Khadija.

A Senhora Khadija foi com o Profeta até a casa de seu primo Waraqa Ibn Nawfal e lhe disse: “Primo, escute teu sobrinho”. O Profeta começou a lhe contar o que havia acontecido, que havia visto uma criatura extraordinária (não disse que havia visto um anjo, porque até então não sabia disso). O Profeta ia falando e Waraqa estava prestando muita atenção. Waraqa as vezes se espantava e em outras vezes sorria. Estava escutando o que os Livros Sagrados explicavam sobre o último Profeta que havia de chegar. Quando o Profeta acabou de explicar tudo o que havia acontecido, Waraqa respondeu apenas com quatro frases. A reunião durou cerca de 20 minutos e nada mais. Era uma reunião curta para que ninguém dissesse que o Profeta havia aprendido a religião de Waraqa.

Escutemos a resposta de Waraqa. Quero que você se imagine no lugar do Profeta ao escutar essas palavras. Disse o seguinte:

1) Tu és o Profeta do final dos tempos, és o Profeta dessa nação.

2) O que te visitou foi o mesmo que guarda os segredos (Anjo Gabriel) que Allah havia enviado a Moisés (Mussa).

3) Teu povo te tratará como um mentiroso, te ferirá, te golpeará, lutará contra ti e te expulsará.

4) Gostaria de ser jovem para chegar a época em que teu povo te expulsará de tua terra.

O Profeta  nesse momento lhe interrompeu pela primeira vez para perguntar: “Meu povo me expulsará?”  Waraqa disse: “Sim, qualquer homem que veio antes de ti com algo similar ao que te foi revelado, foi tratado com hostilidade. Se eu ver esse dia te ajudarei integra e sinceramente”.

Analisemos o que Waraqa Ibn Nawfal disse. Suas palavras são extraordinárias e merecem serem escritas em ouro, como disse o refrão.

A primeira frase: “Tu és o Profeta do final dos tempos, és o Profeta dessa nação”. Quero que você imagine como se sentia o Profeta ao ouvir essas palavras: “Eu? Eu sou quem Allah escolheu para ser Profeta? Sou o último dos Profetas e conseqüentemente o melhor? Eu serei o responsável de reformar a Terra?”

Porque? Provavelmemte o Profeta deve ter se feito essa pergunta: “Por que eu?” A resposta viria logo no versículo em que Allah disse:

“Allah sabe melhor do que ninguém a quem deve encomendar a Sua missão” (6: 124)

Vejamos que o Anjo Gabriel ainda não havia lhe dito que ele era um Profeta . Porque? Porque o Profeta não iria assimilar vindo de um anjo, já vindo de um ser humano como o que lhe disse ficaria mais fácil de absorver. Se alguma vez encontrares que alguém consiga um trabalho ou outra coisa em seu lugar, não se sinta triste ou frustrado, simplesmente lembre-se desse versículo.

A segunda frase: “O que te visitou foi o mesmo que guarda os segredos (Anjo Gabriel) que Allah havia enviado a Moisés (Mussa).” “O que eu havia visto e havia me abraçado tão forte era um anjo?” Sim, é um anjo, e ficará contigo durante 23 anos nos quais estarão se comunicando.

A terceira frase: “Teu povo te tratará como um mentiroso te ferirá, te golpeará, lutará contra ti e te expulsará.” Irão lhe causar danos e tentar lhe assassinar várias vezes. Você sabe quantas vezes tentaram matar o Profeta?  9 vezes! Mas como Waraqa pode afirmar isso com tanta certeza? Ele sabia que o caminho da verdade é assim. O caminho da verdade se cruza com os interesses dos opressores, eles não permitirão que a verdade e o bem prevaleçam. Você está trazendo a verdade, então eles não lhe deixarão.

A quarta frase: “Gostaria de ser jovem para chegar a época em que teu povo te expulsará de tua terra.” O Profeta SAAS lhe perguntou: “Eles me expulsarão?” “Por que me expulsariam da minha terra natal?” “O que eu haveria de fazer?” “Que mal eu terei feito?” Waraqa respondeu: “Qualquer homem que veio antes de ti com algo similar ao que te foi revelado, foi tratado com hostilidade”. Isso serve para os jovens que dizem que desejam que aconteça o renascimento da Nação Islâmica: O caminho da reforma está cheio de sacrifícios, paciência e entrega. Essa é a regra e foi exatamente isso que Waraqa disse ao Profeta . Mas, como ele sabia que aconteceria tudo isso ? Porque sabia que a história de todos os profetas havia sido assim. Também compreendia como funcionava a política . Entendeu perfeitamente a política de Quraish. Ele sabia que Quraish havia colocado 360 ídolos ao redor da Kaaba, não por razão religiosa e sim para beneficiar seus próprios interesses com as diferentes tribos. Quraish tinha interesses econômicos com as tribos do Yemen e do Sham (atualmente Síria e Líbano). Por isso, trouxeram seus ídolos  e os colocaram ao redor da Kaaba, para que suas caravanas fossem protegidas por essas tribos situadas no caminho até al Sham e Yemen. Se tirassem esses ídolos, Quraish perderia sua liderança religiosa e por isso, suas aliança e seus caminhos deixariam de ser seguros. A resposta à chamada do Profeta SAAS por conseguinte seria afirmar “que não há mais divindade além de Allah” e Waraqa entendia todas essas dimensões. Por essa razão ele disse ao Profeta o que aconteceria. O Profeta deixou Waraqa e se foi.

Agora quero que você imagine os pensamentos que passavam na mente do Profeta. Me causarão dano, lutarão contra mim e me expulsarão. O Profeta foi embora primeiro, e Waraqa disse a Senhora Khadija algo estranho: “Diga a ele que se mantenha firme”. Falou com ela e não com ele porque sabia que ela era capaz de ajudá-lo e fazê-lo permanecer firme. Além disso, ele sabia que o caminho que ele devia recorrer necessitava de paciência e sacrifício. Hoje tenho uma mensagem para você similar a de Waraqa.

Observe que Waraqa Ibn Nawfal disse isso ao Profeta num momento em que o mundo vivia em escuridão, e eu creio que estamos vivendo uma situação similar a da época de Waraqa Ibn Nawfal. Voces já ouviram falar na primeira e segunda guerra mundial? Vocês crêem que as pessoas que viviam nesses dias eram conscientes de que estava sucedendo uma guerra mundial? Não, havia guerras aqui e ali, mas não chamaram explicitamente a esses períodos primeira e segunda guerra mundial.

Quem então chamou esses períodos dessa forma? Foram os historiadores tempos depois. Quando tudo havia terminado, chamaram de “Guerras Mundiais”. Você não pensa que estamos vivendo uma terceira guerra mundial sem nos darmos conta? Pode que alguém venha daqui a 20 anos e qualifique esse período assim, partindo do 11 de setembro, ou da guerra do Iraque, etc. Estamos passando por uma época difícil. Temos que trabalhar duro para conseguir um renascimento. Estamos vivendo um tempo anormal. Precisamos despertar, é hora de acordar.

Você deve saber que o caminho para o renascimento requer sacrifício e paciência. Estas são as mesmas palavras que Waraqa disse. Você deve saber que Allah lhe escolheu para realizar essa tarefa. Quero que você se de conta que está vivendo um tempo similar a aquele em que vivia o Profeta.

Temos um problema grave. Por favor! Sinta que você é o responsável por reformar a Terra! Aprenda como deve fazer o bem, nem que seja o mínimo. Isso permitirá que quando você estiver de pé frente a Allah possa dizer-Lhe que fez o que podia.

Devemos saber como fazer isso da melhor forma possível.

Essa era a mesma mensagem que Waraqa aconselhou para o Profeta. “Diga-lhe que se mantenha firme”. Por favor! Vamos nos manter firmes, todos nós, homens, mulheres e jovens. Façam tudo o que puderem pela vossa religião e vosso país. Em nossos dias precisamos nos lembrar das palavras de Waraqa: “Diga-lhe que se mantenha firme”, “Teu povo te trará danos e lutará contra ti”.

“Desejaria ser jovem e forte!” Você notou algo nessas palavras? É como se Waraqa dissesse ao Profeta que a mensagem precisa de gente jovem.

“Desejaria ser jovem e forte!”

Observe uma coisa a mais. Waraqa disse: “Desejaria ser jovem e forte!”. Suas palavras significam que esta missão precisa de jovens que se mantenham firmes junto a Muhammad e apóiem sua causa. Mas o mais surpreendente é que Waraqa morreu alguns dias depois, é como se Allah lhe tivesse feito viver 90 anos com o único fim de explicar a Mohamad o que lhe havia ocorrido. Ele cumpriu com o propósito para o qual Allah havia lhe criado e sua morte naquele preciso momento era necessária para que ninguém dissesse que Waraqa havia ensinado a Muhamad qualquer coisa da religião. Encontraram-se apenas alguns minutos. Também temos que lembrar que Waraqa tinha  intenções sinceras em apoiar a Mensagem de Muhammad, como disse: “Se eu viver esse dia, te ajudarei integra e sinceramente”. Essa sincera intenção colocou Waraqa ao nível dos Companheiros do Profeta e dos mártires muçulmanos. Uma palavra sincera era tudo que precisava para alcançar esse nível. Assim, se você empreender esta intenção agora para ajudar a Ummah (Nação Islâmica), teu país, e o Islam o máximo possível, da mesma maneira que fizeram os companheiros, você alcançará o nível deles mesmo que morra amanha.  Diga essas palavras com teus lábios enquanto que Allah estará atestando a sinceridade do seu coração. Diga: “Seguirei com constancia o caminho reto e viverei para ele”. Mas, lembre-se, se viveres depois disso terá que demonstrar o que afirmou a Allah.

Observe outra coisa, Waraqa passou toda a sua vida estudando e buscando a Verdade, e a primeira palavra revelada a Mohamad foi: “Lê”. Isto indica claramente que o conhecimento tem um grande valor no Islam.

Depois da morte de Waraqa, o Profeta Muhammad esperava que o Anjo Gabriel viesse novamente para confirmar o que Waraqa havia lhe dito, pois não tinha certeza de que ele tinha razão em sua explicação do fato ocorrido.  Mas, o Anjo Gabriel não desceu durante alguns dias. Allah queria  deixar que Muhammad pensasse primeiro e decidisse se estava disposto a seguir ou não essa difícil missão. Muhammad viu o anjo Gabriel uma semana depois, sentado em um trono entre a terra e os céus cobrindo o horizonte todo e dizendo: “Muhamad tu és o Mensageiro de Allah, e eu sou Gabriel dos céus.”

Você observou como  Allah preparou o Profeta gradualmente para receber a mensagem ? Glorificado e Louvado seja!

O anjo Gabriel levou o Profeta Muhammad para fora de Makkah para lhe dar a primeira lição. Golpeou a terra com sua asa e apareceu um manancial. Depois, começou a realizar a ablução e as orações enquanto Muhammad olhava e imitava. Logo o anjo Gabriel lhe disse que rezasse 2 rakaas (unidades da oração) pela manha e 2 pela tarde.

Assim começaram as orações, embasadas no método da imitação, sem que lhe desse qualquer outra teoria a respeito. Depois do Israa wal Miraj (Viajem noturna  do Profeta de Makkah a Jerusalém e sua ascensão ao sétimo céu), Allah impôs definitivamente aos muçulmanos rezar 5 vezes ao dia, mas ainda na forma de 2 rakaas em cada oração. Somente depois da Hijra (hégira- imigração de Makkah a Madina) foi que o número de rakaas se ajustou da forma que conhecemos hoje.

Você se deu conta do valor das orações? É um pilar muito significativo no Islam, como o Profeta disse nos seguintes ahadith:

“O islam é o núcleo do assunto e a oração é seu pilar” (6)

Ibn Omar narrou que o Profeta Muhammad disse: “O islam se embasa em 5 pilares: Testemunhar que não há outra divindade digna de adoração além de Allah e que Muhamad é Seu Mensageiro, realizar as orações obrigatórias sempre e perfeitamente, pagar o zakat, realizar o Hajj, e jejuar no mês de Ramadan.” (7)

Digo isso para que saibam que quem não reza tem que saber que está golpeando o pilar da casa que lhe conecta a Allah. Imaginem que alguém que alguém entra na sua casa e quebram algumas coisas ou a janela...tudo isso se pode perdoar.  Mas se ele se dirigisse ao muro maior e começar a golpeá-lo, você deixaria passar?  Portanto, mesmo Allah sendo o Misericordioso, mesmo assim há uma linha que ninguém deveria ultrapassar já que acarretaria na fúria de Allah. Sobrepassar essa linha inclui 2 pontos básicos:

1) Abandonar as orações prescritas,

2) Desobedecer aos pais.

Assim, mesmo que cometas outros pecados maiores, por favor não cruzem jamais essa linha! Não realizar as orações significa simplesmente que adorar a Allah alguns minutos cada dia é uma tarefa que lhe é muito pesada, sendo que mesmo assim, tem tempo de assistir televisão, sair com os amigos, falar no telefone. Se não realizar as orações ou se desobedecer aos seus pais, e morrer antes de se arrepender sinceramente, estará em uma posição muito difícil quando se encontrar perante Allah. Portanto realize as orações assim que ouvir o Adhan (Chamada para a Oração).

O Profeta disse em um hadith narrado por Abdullah: “Perguntei ao Profeta: Que ação é mais apreciada por Allah? Ele respondeu: Realizar as orações no tempo prescrito. Perguntei: E depois? Ele respondeu: Tratar bem os pais. Perguntei outra vez: E depois?  Ele respondeu: Participar da Jihad pela causa de Allah. Abdullah disse: Só perguntei essas coisas, se tivesse perguntado mais o Profeta teria me respondido” (9)

Além disso os 3 primeiros capítulos que foram revelados ao Profeta depois de “Iqraa”(Lê), nos permite comprovar a importância e o significado das orações:

“Ó tu, acobertado, Levanta-te à noite (para rezar), porém não durante toda a noite; A metade dela ou pouco menos” (73:1-3)

“Ó tu, emantado! Levante-te e admoesta! E enaltece o teu Senhor! E purifica as tuas vestimentas! E foge da abominação! E não esperes qualquer aumento (em teu interesse), Mas persevera, pela causa do teu Senhor” (74: 1-7)

“Louvado seja Allah, Senhor do Universo, O Misericordioso, o Misericordiador, Soberano do Dia do Juízo. Só a Ti adoramos e só de Ti imploramos ajuda! Guia-nos à senda reta, À senda dos que agraciaste, não à dos abominados, nem à dos extraviados.” (1: 1-7)

As primeiras suras que foram reveladas ao Profeta Muhammad indicam os requisitos da grande reforma que o Profeta iria fazer:

1- Adquirir o conhecimento (lê- Sura Al Alaq)

2- Energia espiritual (Sura al Muzamil- O encobertado)

3- Trabalho e atividade (Sura al Mudathir- O emantado)

4- O caminho que deve seguir deve seguir, sendo constante, para obter a salvação nos 2 mundos. (Fatiha- A abertura)

Depois de informar ao Profeta Muhamad sobre esses requisitos, a revelação parou por 2 meses para que Muhammad estabelecesse um plano para a sua missão, sendo que esta era sua tarefa e não do anjo Gabriel. Durante esses 2 meses o Profeta estava realmente preocupado, pensando que havia feito algo de errado e que Allah havia lhe abandonado. Por isso, Allah revelou palavras carinhosas para confortá-lo no capítulo Aduhá (As horas da manhã), no qual Allah diz:

Pelas horas da manhã, E pela noite, quando é serena, Que o teu Senhor não te abandonou, nem te odiou. E sem dúvida que a outra vida será melhor, para ti, do que a presente. Logo o teu Senhor te agraciará, de um modo que te satisfaça. Porventura, não te encontrou órgão e te amparou? Não te encontrou extraviado e te encaminhou? Não te achou necessitado e te enriqueceu? Portanto, não maltrates o órfão, Nem tampouco repudies o mendigo, Mas divulga a mercê do teu Senhor, em teu discurso.”

O Profeta rezava toda a noite ao ponto de que seus pés se inchavam. Aproveito esta ocasião para dizer que você tente ler o Quran pelo menos uma vez por completo durante a oração de Tarawih no Ramadan. Tenta seguir os passos do Profeta e concentre-se nos 4 requisitos: 1)Adquirir conhecimento, 2) realizar as orações, 3) Trabalhar duro, 4) seguir o caminho reto. Sem seguir esses requisitos nunca haverá um renascimento da Ummah (Nação Islâmica), pois esses são os pilares essenciais através dos quais o Profeta Muhamad fez funcionar seu plano. Seguindo seus passos, se não tens nenhum conhecimento, veja e aprenda, planeja bem e se esforce em trabalhar.

Você sabe como começou o Profeta?  Ele não começou destruindo os ídolos que Quraish haviam colocado em torno da Kaaba, já que sabia que se retiraria pacificamente quando se estabelecesse o Islam. Ele não começou explicando a mensagem no alto de uma montanha, porque ninguém haveria de escutá-lo. Seu plano era escolher de cada família de Quraish os que tinham êxito em sua vida prática (pessoas comprometida com sua sociedade, mas sem ser necessariamente ricas ou descendentes de grandes famílias) conhecidas pela sua excelente moral. Aqui quero que cada um faça a si mesmo esta pergunta:  Se você  estivesse ali naquela época, o Profeta teria lhe escolhido? Se faltas nos estudos e tiras notas ruins ele não teria lhe escolhido. Em poucas palavras, seu plano era construir um grupo de pessoas distintas que se comprometessem em apoiar e fazer chegar a mensagem.

Um deles foi Abu Bakr: Tinha 38 anos, comerciante famoso, apreciado por Quraish e grande conhecedor da genealogia dos árabes que habitavam a península arábica.

Outra pessoa era Khadija, não simplesmente porque era sua esposa, e sim porque ela se destacava.

A terceira pessoa era Ali Ibn Abu Talib, tinha 10 anos, era um menino inteligente e que morava na casa do Profeta Muhamad naquela época. Quando viu o Profeta rezar lhe perguntou acerca dessa religião. Depois, pediu um tempo para refletir sobre o assunto. No dia seguinte quando o Profeta lhe perguntou se ele aceitaria o Islam ou não, Ali respondeu: “Repita o que me  disseste ontem”. Refletiu alguns segundos e logo abraçou o Islam proferindo a Shahadah (declaração de fé). Observe a diferença de um jovem destacado de 10 anos e muitos homens jovens de 20 anos de hoje em dia e que ainda não traçaram uma meta para suas vidas. Dois dias depois Abu Talib viu Ali rezando e lhe perguntou acerca disso. Ali respondeu: “Estou seguindo Muhammad e estou comprometido com o caminho verdadeiro, e este é o caminho verdadeiro”. Abu Talib disse: “Siga assim, pois  Muhammad só te mandará fazer o correto.”

Tenha isso em conta: O islam começou com o Profeta Muhammad, um homem, uma mulher e uma criança. Quatro pessoas são o núcleo de todo esse êxito. No próximo episódio falaremos de todo o sofrimento e as dificuldades que tiveram que suportar de Quraish.

Agora quero repetir as 2 perguntas que havia feito anteriormente e que respondas sinceramente:

1) Você irá se comprometer como fez Waraqa a apoiar o Profeta se Allah lhe permitir viver?

2) Se você estivesse estado ali, quando o Profeta Muhammad constituiu o grupo, ele teria lhe escolhido? Você seria suficientemente destacado para que ele te escolhesse nesses 3 primeiros anos da chamada profética? Em outras palavras: Você tem êxito na sua vida e possui uma excelente moral? Essa pergunta não é só dirigida aos jovens e sim a todas as idades.

 

[1] Ler o significado traduzido do Quran não pode substituir sua leitura em árabe, o idioma em que foi revelado.

[2] Sahih Bukhari, Livro 1: Volume 1, Livro 1, Número 3.

[3] Reportado por Al-Bukhari em Al-Adab Al-Mufrad. Também por Al-Tirmidhi, Ibn Hibban e Al-Baihaqi na narracao de Abi Al-Darda ', Sahih Al-jami ' Al-Saghir, No.135.

[4] Reportado por AI-Tirmidhi na narracao de Abu Huraira e disse: é um Hadith autêntico e bom.

[5] Reportado por Tirmidhi, 4/249, en Abwab al-birr, 70. Disse que é um Hadith bom.

[6] Hadith auténtico, Ibn-Al-Qayem. Al-Salah y Hukm Tarikha (La oración y cómo se juzga el que la abandona) página o número 34.

[7] Proporção da riqueza (2.5%) que cada muçulmano paga anualmente em beneficio do necessitado na comunidade muçulmana.

[8] Hadith autêntico, Sahih Al-Bukhari. Volume 1, Livro 2, Número 7.

[9] Hadith autêntico, Sahih Al-Bukhari, volume 1, livro 10, número 505.

Pof. Amro Khaled,

Tradução irmã Zohra!