Al Ikhlass, a Sinceridade para Deus

A sinceridade para Deus. (Al ikhlass) Para que a crença seja verdadeira e influencie  beneficamente, a sinceridade deve acompanhar este bom entendimento. Ser sincero e puro. Em árabe e na linguagem do Alcorão e da Sunnah: "al ikhlass". Significa intencionar e objetivar todos os seus dizeres, seus atos e esforços para Deus e para agradar à Deus e alcançar sua recompensa, sem olhar para lucro, aparência, renome, adiantamento ou atraso... * Dize: minhas orações, minhas devoções, minha vida e minha morte pertencem a Allah, Senhor do Universo, que não tem parceiro algum. Tal me tem sido ordenado...* (6:162)

Omar ibn al Khattab narrou que ouviu o profeta Muhammad dizer: "Certamente as obras são determinadas pelas intenções, e cada homem ganhará segundo sua intenção; assim, aquele cuja emigração for por Deus e Seu mensageiro, sua imigração será considerada como sendo pela causa de Deus e do Seu mensageiro. Porém, quem emigrar em busca de algum benefício mundano, ou para casar, sua emigração será para aquilo pelo qual emigrou"(1)

Percebemos como a sinceridade e a boa intenção é a base de todas as ações do ser humano, é a balança pela qual são medidas as ações, se a intenção é boa, Deus por ela recompensará, e se má., Deus por ela retribuirá. Esta intenção mora no íntimo de cada pessoa e só Deus, o Onisciente, a conhece. Por isso, várias pessoas podem fazer a mesma boa ação, alguns serão condenados pelo que fizeram, mesmo sendo uma boa ação, e outros recompensados. Por que? Pela intenção que cada um teve.Nada mais óbvio e lógico, aquele que fez algo para agradar a alguém ou para obter um benefício material, já conseguiu o que desejava. E aquele que fez para Deus, Deus lhe retribuirá...

*A quem quiser as coisas transitórias (deste mundo) o atenderemos prontamente com o que desejar; a quem nos aprouver, porém, o destinaremos ao inferno, em que entrará envergonhado, rejeitado. Aquele que anelar a outra vida e se esforçar por obtê-la, e for crente, terá os seus esforços retribuídos. Tanto a estes como àqueles agraciamos com as dádivas do teu Senhor; porque as dádivas do teu Senhor jamais foram negadas a alguém* (17:17-19)

O profeta Muhammad ainda nos relata que: "Os primeiros entre os humanos a serem julgados no dia do juízo serão um homem que morreu como mártir, Deus lhe apresentará as dádivas que lhe concedeu e este as reconhecerá. Lhe será dito: "O que fizestes com elas (as dádivas que lhe concedi)?". Este dirá: "Lutei pela sua causa até a morte". Deus dirá: "Mentistes! Mas o fez para que fosse dito corajoso e valente, e assim foi dito". Então será arrastado e jogado no fogo. E outro que obteve o conhecimento e o ensinou e leu o Alcorão. É trazido e interrogado da mesma maneira e responde: "Aprendi o conhecimento e o ensinei e li o Alcorão por ti". A sentença é a mesma: "Mentistes! Mas obtivestes o conhecimento para que lhe fosse dito: É sábio. E lestes o Alcorão para que dissessem leitor, e assim foi dito". Então será arrastado e jogado no fogo. E outro que lhe foi concedido de todas as riquezas, quando interrogado da mesma maneira diz: "Fiz todos os tipos de caridade que agrada ao Ti". A sentença: "Menstistes! Mas o fez para que fosse dito: "ele é generoso", e assim foi dito, e é arrastado para o inferno"(2)...

É relatado que quando Muáuiah ouviu este hadith chorou até desmaiar. Quando acordou disse: "Deus e o Seu mensageiro dizem a verdade. Disse Deus o Altíssimo: *Quanto àqueles que preferem a vida terrena e seus encantos, far-lhe-emos desfrutar de suas obras, durante ela, e sem diminuição. Serão aqueles que não obterão na vida futura senão o fogo infernal, e tudo quanto tiverem feito aqui tornar-se-á sem efeito e será vão tudo quanto fizerem * (11:15-16)(3)

E Deus, no Alcorão Sagrado, ainda nos fala sobre as obras dos incrédulos e idólatras... *Então iremos aquilatar as suas ações, e a reduziremos a moléculas de pó dispersas* (25:23). Isto ocorrerá por terem feito boas obras, porém, não para Deus, e estas as quais fizeram deveriam ser direcionada somente para Deus. As fizeram, ou por interesse material, ou as fizeram por devoção a um santo, uma imagem, um ídolo, que nunca poderão recompensa-los e nem intermediar perante Deus... *E compareceis ante Nós, isolados, tal como vos criamos da primeira vez, deixando atrás de vós tudo quanto vos concedemos, e não veremos convosco vossos intercessores, os quais pretendíeis fossem vossos parceiros; rompeu-se o vínculo entre vós e eles, e as vossas invenções (ídolos e intermediários) vos deixaram em apuros* (6:94)

Em outro relato do mensageiro de Deus, ele nos mostra como a sinceridade para Deus nas nossas adorações colhe bons frutos até mesmo nesta vida mundana, antes da vida eterna para a qual intencionamos nossas ações sinceramente para Deus... "Num tempo anterior ao vosso, houve três homens que iniciaram uma marcha. Chegada a noite, decidiram refugiar-se em uma gruta; porém, uma vez dentro dela, uma rocha rolou da montanha e fechou a saída da gruta. Então disseram entre si: "Não há como escaparmos desta gruta, a não ser rogando a Deus e invocando nossas boas obras". Um deles disse: "Deus meu, eu tinha em minha casa os meus pais, e eram muito velhos. Não permitia que ninguém da minha própria família tomasse do leite recém-ordenhado antes que eles. Aconteceu que um dia me distanciei muito de casa em busca de lenha. Quando voltei, estavam dormindo, e assim ordenhei as vacas enquanto dormiam.Não quis desperta-los...  (4)

Este é a base da construção saudável que precisamos, ter a pura sinceridade e a intenção voltada somente para Deus ao aprender e entender, para que nossas ações tenham uma base sólida e verdadeira.

A ausência do entender e da sinceridade faz o homem se desviar. Alguns tem pleno conhecimento e conhecem muito, porém na hora de praticar este conhecimento, tropeçam na falta de sinceridade para Deus. Outros tem sinceridade para dar e vender, porém, a falta de entendimento neutraliza esta sinceridade e a deixa morrer.

Por isso, antes de seguirmos na nossa construção, antes de partirmos para o próximo passo, que é a prática, devemos saber que esta prática precisa de entendimento e saber e precisa de sinceridade para ser correta e para ter validade... Disse Deus, o Altíssimo: *Dize-lhes: Sou tão somente um mortal como vós, a quem tem sido revelado que o vosso Deus é um Deus Único. Por conseguinte, quem espera o comparecimento ante seu Senhor que pratique o bem e não associe ninguém ao culto d'Ele * (18:110).

  No versículo acima, Allah alerta quem preocupa-se com o comparecimento ante Ele e teme por suas ações e lhes diz: Se esperam me encontrar...

1. Que pratique o bem, que abrange o entender, pois não podemos saber qual o bem e como o fazemos a não ser entendendo o Alcorão. Por isso, os sábios dizem: A primeira condição para que nossas ações sejam aceitas é "faze-las de acordo com o que o profeta Muhammad decretou, segui-lo no que ordenou e abster-se do que proibiu.... *Aceitai, pois, o que vos der o mensageiro, e abstende-vos de tudo quanto ele vos proíba* (59:7).

2. E não associe ninguém no culto a Ele, menção à sinceridade, que é a base das ações.

Exemplos da importância e interferência da intenção em todas as nossas ações, baseando-se no hadiss citado anteriormente: "As obras são determinadas pelas intenções", que é uma das base religiosa.

a. Qualquer boa ação e toda adoração necessitam de intenção voltada a Deus, pois é esta intenção que diferencia a prática rotineira da prática por adoração à Deus. Vemos a intenção a primeira base da ablução, da oração e de todas as adorações. Um simples banho pode ser feito por higiene ou por adoração. Se intencionado, valerá como adoração e por ela a pessoa será recompensada, será valido para o cumprimento das orações e estará sendo também a prática da higiene que o Islam também recomenda.

 Da mesma forma, alguém pode abandonar certa ação pecaminosa por não ter mais a capacidade que tinha para fazê-la e, sendo assim, este abandono não caracteriza um "arrependimento". Porém, o arrependimento é o abandono de certo erro mesmo podendo fazê-lo, com a sincera intenção de não voltar a praticá-lo e com o remorso e arrependimento pelo que passou e perdeu ao fazer tal erro.

b. A boa intenção só não basta para a concretização de uma boa ação ou para a pratica de uma adoração. É a intenção a parte mais importante, mas não é tudo. Isto é claro e induvidável, pois ninguém diz ter feito qualquer coisa só com a intenção que tinha no seu intimo. Ninguém diz que foi trabalhar hoje quando, na verdade, não foi, mas teve a intenção de ir. Da mesma forma, quando dizemos: "a fé está no coração", estamos totalmente errados, pois estamos usando esta frase de má fé, estamos a dizer que basta-nos guardar esta fé no coração... "Fulano, venha rezar!!".... "Não precisa, a fé está no coração". E nossos sábios disseram: "a fé é aquilo que se enraíza no coração e é comprovado pela ação". E o hadiss do profeta do qual estamos a falar diz: "As obras são determinadas pelas intenções...", ou seja, sem intenção não há obra, e naturalmente, só a intenção não é uma obra.

c. A intenção só por si não é uma obra, mas pode ser cogitada como uma boa obra caso o homem a intencione e não chegue a concretizá-la por algum empecilho que atravessou o seu caminho após ter intencionado sinceramente fazê-lo. Alguns sábios afirmaram que o hadiss acima representa um terço da religião, pois as ações do homem são feitas com seu coração, sua língua e seus órgãos. E a boa intenção do coração de fazer algo já é uma adoração, sem necessitar da ação da língua e dos órgãos, ao passo que a língua e os órgãos para concretizarem uma adoração precisam da intenção do coração... diz o profeta Muhammad: "Deus tem descrito tanto as boas com as más obras, e as tem detalhado: Quem teve a intenção de realizar uma boa obra, e não chegou a cumpri-la, Deus a anotará como se a tivesse realizado. E se teve intenção de realiza-la e a realizou, Deus a anotará  o mérito de dez boas obras, que poderão ser multiplicadas em ate setecentas vezes ou muito mais. E se a pessoa teve a intenção de realizar uma má obra, sem chegar a faze-la, Deus anotará como se tivesse realizado uma boa obra; porém, se a cometer, Deus anotará como se cometesse apenas uma má obra"(5)

E certo dia, o profeta Muhammad disse aos seus companheiros em uma de suas viajens: "Há uns homens em Madina que estão a compartilhar convosco a recompensa de estarem comigo em cada passo que vocês dão e em cada vale que cruzam; a enfermidade os impediu de estarem convosco". Após desejarem sinceramente estarem ao lado do mensageiro, algo que não esta sob o controle deles os impediu de saírem, porém, suas intenções validaram suas obras mesmo não as tendo feito.

d. A ação que o homem faz hoje, pode não poder fazer amanhã. Mas, se este a fez na época em que tinha condições e depois não pode mais fazê-la, será recompensado como se a estivesse fazendo, pois sua intenção é fazê-la, mas não é capaz. Percebemos isto claramente quando o profeta diz: "Reze de pé, se não pode, sentado, se não podes, deitado"(6).Esta oração feita pelo doente ou inválido sentado tem o mesmo valor da oração daquele que a pratica normalmente com todos os movimentos, pois a praticava, e um motivo que está fora de seu controle o fez rezar sentado.

Todas estas passagens, histórias e reflexões nos fazem lembrar a importância da intenção e a partir disto podemos classificar todas as pessoas neste mundo entre...

1. Praticantes, porém suas práticas nada valem por falta de intenção, ou por má intenção;ou invalidas por não fazerem corretamente. E estes dois grupos são citados na primeira surata do Alcorão : *Guia-nos à senda reta, a senda daqueles que Tu agraciaste, não dos abominados (conheceram,mas não aplicaram seus conhecimentos) e nem dos extraviados (não conhecem, por isso fizeram incorretamente e se extraviaram) * (1:7). E por incrível que pareça. Na oração estabelecida por Deus, o muçulmano lê estes versículos e roga que Deus o salve da má intenção e da prática incorreta dezessete vezes ao dia.

2. Praticantes, e suas práticas são válidas e benéficas, pois tiveram intenção e entenderam como fazer, que é a senda reta, com conhecimento e prática.

3. Não praticantes, e conseqüentemente, não tiveram intenção, pois o que confirma a existência da intenção é a prática do intencionado. E se tivessem intencionado fazeriam ou seriam retribuídos por não conseguirem fazer o que intencionaram sinceramente.

Antes de iniciar a nossa caminhada rumo à pratica daquilo que conhecemos, devemos ter convicção de que o homem, quando quer algo e se determina a consegui-lo, consegue. Se nossa intenção é Deus e encontrar à Deus com ações que possam nos salvar, seremos guiados de acordo com nossas intenções, qualquer que seja o custo. Porém, isto nessecita de disposição, necessita de força de vontade, necessita de convicção, assim como qualquer outra ação que queremos fazer.

Assim, se confiarmos realmente em Deus e tivermos a intenção de alcançar a felicidade eterna, alcançaremos nosso objetivo... * E quem quiser a outra vida e se esforçarem por obtê-la, e forem crentes, terão seus esforços retribuídos * (17:18). Porém, se não temos a mínima vontade de começar, como iremos chegar?

O resultado natural da fé baseada no entendimento e na sinceridade é a prática correta. A prática que traduz a fé que mora no íntimo de cada ser humano, é o sinal da fé que ele carrega em seu coração e da ideologia que carrega em sua mente.

Todo ser humano é ativo e praticante, todos,sem exceção, têm uma atividade e uma prática que traduz aquilo que carregam dentro de si. Vivem de acordo com o pensamento e ideologia que carregam em seus corações e mentes. Isto ocorre porque todo ser humano está envolvido com a vida e necessita relacionar-se com a natureza que vive ao seu redor, caracterizando assim a sua prática de acordo com seu entendimento sobre esta vida e esta natureza. E o muçulmano entende que esta vida é criação e controle de Deus, por isso sua prática está condicionada ao que Ele estabeleceu.

Sobre a prática do ser humano, o profeta Muhammad lembra-nos que todos estão envolvidos e têm suas práticas, alguns boas que os absolvem, outras más ações que acabam por condena-los...Disse o profeta: "A higiene é a metade da fé; alhmdu lillah enche a balança (das boas ações); subhanallah e alhamdulillah enchem o espaço entre o céu e a terra; a oração é uma luz;a caridade uma prova; a paciência um brilho; e o Corão é um argumento a seu favor ou contra você. Toda pessoa sai (para a vida) ao amanhecer, e é vendedor de si mesmo, libertando-se (vendendo-se a Deus com a prática das ações que Lhe agradam), ou condenando-se (com a prática do proibido e a negligência das obrigações)".

Portanto, todos nesta vida trabalham, porém, este trabalho depende do objetivo que cada um tem na sua vida. Pode ser este objetivo simplesmente material, sem olhar para uma outra dimensão que vem pela frente. Ou pode ser um objetivo mais amplo, baseado numa fé em que o Criador estabelece que há uma vida após a morte, eterna e duradoura, infinita e construída de acordo com a vida que este ser humano teve na terra, na vida mundana, de acordo com a fé e crença que carregava em seu coração, de acordo com a prática de seus órgãos comandados por um cérebro que podia discernir entre o bem e o mal, entre o certo e o errado.

Esta fé e esta prática foram os dois primeiros pontos citados por Deus como elementos que levam à salvação... Pela era, que o homem está na perdição, salvo os que: creram, praticaram o bem... (103) E citamos anteriormente que a fé para ser verdadeira necessita de entendimento e sinceridade; e sobre esta fé bem entendida e sincera se constrói uma prática bem entendida e sincera.

 

Sheikh Ahmad Mazlum, Imam e Khatib da Mesquita de Mogi das Cruzes!