Abu Bakr

* Entre os crentes há homens que cumpriram o que a Allah haviam prometido, há os que já morreram e outros que esperam, sem violarem a sua promessa.. *   (33:23)

  As páginas da história islâmica registraram vidas exemplares que mostraram os valores islâmicos e estabeleceram os direitos humanos para todos. Vidas que mostraram ao mundo como temer a Deus, como governar, como viver...

E o mais exemplar dos homens após os profetas foi um homem simples e humilde, porém, grandioso e justo por ter estado sempre com o professor da humanidade, Muhammad. Falamos de Abu bakr Assiddik, homem cuja imagem foi eternizada nas mentes dos muçulmanos sinceros e é o mais respeitado dos companheiros do profeta Muhammad. Uma imagem que vive nos corações retos através do Alcorão Sagrado e da história islâmica, pois era o primeiro e o mais sincero em tudo, foi...

 O primeiro a crer em Allah e a confiar no seu mensageiro...disse o profeta: "Não chamei ninguém a entrar para ser muçulmano sem que este duvidasse e analisasse, exceto Abu Bakr, que não demorou a crer e não duvidou quando lembrei-o (do islam e que sou mensageiro de Deus)".

 O único que acompanhou o profeta Muhammad em todos os momentos, do início ao fim, em todas as etapas da vida profética, fato que lhe deu a honra de ser citado no Alcorão Sagrado junto ao profeta Muhammad em sua imigração de Makkah à Madinah... *Se não vos socorrerdes.Allah o socorrerá como fez quando os incrédulos o expulsaram. Quando estava na caverna com um companheiro e disse... * (9:40 )

O que mais se esforçou pela causa do Islam, sacrificando sua vida, seus bens e sua família para o bem do mensageiro e o bem da humanidade para a qual este mensageiro foi enviado. Disse o profeta Muhammad: "Não há mão mais benevolente que não temos retribuído seu esforço, exceto a de Abu Bakr, e a ele Deus retribuirá no dia do juízo". E ainda disse: "O mais confiável dentre as pessoas para mim em sua companhia e seus bens é Abu Bakr, e se fosse ter alguém como "khalil" que não Deus(4) seria Abu Bakr, mas a irmandade do Islam e o seu afeto".   O exemplo de fidelidade e irmandade a ser seguido pelos muçulmanos em todas as épocas. Esta é a verdadeira amizade, na facilidade e na dificuldade, e não como disse o poeta):

Tive a companhia  de inúmeras pessoas. E pensava estar de mãos cheias, mas quando passei por uma adversidade, traindo-me estavam sem ninguém perdoar se me ausento deles, o pior dentre eles me insulta, e se adoeço, o melhor dentre eles não me visita.

E se me vêem bem, minha felicidade os entristece, e se me vêem mal, meu cansaço os felicita.

O homem indicado pelo profeta para dirigir a oração quando estava doente antes de seu falecimento, como um sinal de que ele seria seu sucessor: "Ordenem que Abu Bakr dirija a oração".

Foi o primeiro dos sucessores exemplares do profeta Muhammad, dos quais o profeta Muhammad disse pouco antes de sua morte: "...Sigam a minha sunnah e a sunnah dos khalifas exemplares e guiados...".

 É relatado que o profeta Muhammad perguntava a seus companheiros sobre suas ações, para que servissem de exemplo para outros e para que sucedesse isto com um conselho. Certo dia, após rezar a oração do fajr, disse-lhes: Quem dentre vós amanheceu jejuando? Omar disse: Ó mensageiro de Deus, eu não intencionei o jejum neste dia e assim amanheci. E Abu Bakr disse: Eu, ó mensageiro de Deus, amanheci de jejum. Depois perguntou-lhes: Quem de vós já visitou um doente? Omar disse: Acabamos de rezar, e não saímos ainda. Abu Bakr disse: Eu, me informaram que meu irmão Abdurrahman ibn Auf está doente. Então o visitei no meu caminho para a mesquita, O profeta continuou: Quem de vós fez uma caridade hoje? Omar disse: Ainda não amanheceu e ainda estamos com você na oração. Abu Bakr, então disse: Eu, entrei na mesquita e encontrei um pedinte. E um dos filhos de Abdurrahman filho de Abu Bakr (meu neto) carregava um pedaço de pão, então o arranquei de suas mãos e o dei a este necessitado. Então o profeta disse: "Então tenha a boa notícia do paraíso..."

Palavras como estas é que ficam registradas nas nossas mentes para lembrarmos no que nossos antepassados estavam preocupados. No que competiam. O profeta lhes perguntava: Quem está jejuando? Quem já visitou um enfermo hoje? Quem já deu uma esmola hoje? E hoje nós ainda temos que perguntar: Quem fez a sua obrigação mínima, o mínimo para ser considerado um muçulmano. Voltamos à estaca zero, à etapa de construção após termos esquecido muitos dos nossos princípios básicos, fazendo como lembrou o poeta... Remendamos nossa vida material rasgando nossa fé e religião, E assim, nem a religião fica e nem o que remendamos.

  Porém, nossos antepassados viveram competindo para conquistarem o êxito na vida eterna, competiram, pois Deus os ordenou e nos ordenou a competir: * E apressai-vos em obter o perdão de vosso Senhor e um paraíso cuja amplitude é igual à dos céus e da terra, preparado para os tementes* ( 3:133 )

  Portanto o resultado das boas ações e da vida reta é : 1. o perdão de Deus. 2. o paraíso. E ainda mais, mesmo que não tão importante quanto os dois primeiros,3. o êxito e a companhia de Deus nesta vida terrena....Deus bem lembra isto quando cita a razão do Seu atendimento à prece de Zacaria e seu desejo em ter um filho... * E o atendemos e o agraciamos com Yahia (João), e curamos sua mulher (da esterilidade), pois competiam no praticar das boas ações, recorrendo a Nós com esperança e temor, e sendo humildes a Nós* (21:90). Logo, entendemos que o êxito de Abu Bakr se deve à sua vida exemplar e reta, que lhe deu o êxito na vida mundana e tornou sua lembrança eterna e inseparável da lembrança de Muhammad. Que reconstruamos, portanto, nossa fé e sejamos fiéis à Deus, seguindo estes nobres exemplos e não os transformando em meras recordações de um passado de sucesso. Veja as qualidades deste homens e imitem os benfeitores, mesmo que não vocês não sejam iguais a eles, Pois a imitação dos generosos é um sucesso.

As qualidades que fizeram de Abu Bakr um homem exemplar, um companheiro fiel, um governante justo.

Sua fé inabalável

  Fiel companheiro do profeta Muhammad, estando sempre ao seu lado, e o apoiando nos momentos mais difíceis, ficou conhecido como "assiddiq"(o veraz) por ter acreditado no mensageiro no momento em que a maioria o desprezava e zombava do que dizia. Ao ser transportado à Jerusalém e depois aos céus na noite de "al Issrá ual miíraj" os coraixitas zombaram dele e na tentativa de abalar a fé dos muçulmanos começaram a espalhar a notícia e, felizes, foram até a casa de Abu Bakr dizendo-lhe: "Seu companheiro nos diz que, numa só noite, seu Senhor o transportou até a casa sagrada de Jerusalém, e logo, amanheceu entre nós". Com toda calma, Abu Bakr lhes surpreende dizendo: "Ele realmente disse isto?". Disseram: "Sim". Então lhes disse: "Se o disse, está a falar a verdade". Disseram-lhe: "Você acredita que ele foi a Jerusalém de noite e voltou antes do amanhecer?". Abu Bakr não exitou em dizer: "Acredito nele naquilo que é mais distante que isto. Creio no que lhe vem do céu de manhã e de noite (a revelação)". E logo se dirige até o profeta para ouvir o que havia ocorrido e dar o seu testemunho de crença: "testemunho que és mensageiro de Allah..."

Sua inteligência e sabedoria

  No dia em que os sahabah perderam o companhia do profeta e perderam a luz que comandava a vida dos muçulmanos não conseguiam acreditar no acontecido. Teriam que seguir a vida sem aquele que recebia a revelação e lhes orientava em tudo. A profecia estava selada e o decreto de Deus foi cumprido: O seu mensageiro acabara de falecer.Até mesmo Omar, conhecido por sua força e firmeza, não quis acreditar. Disse: "Entre os hipócritas há quem pretende afirmar que o mensageiro de Deus está morto, porém não é verdade. Foi até o seu Senhor como o fez Mussa ibn Imran (o profeta Moisés, que se ausentou de seu povo quarenta dias para receber os mandamentos e depois regressou). Por Deus, que regressará e cortará as mãos de quem disse estar morto". Abu Bakr, com sua serenidade, se contornou a situação e registrou mais uma vez sua sabedoria: Com firmes passos, entrou na casa do profeta e o viu coberto com um manto, descobriu seu rosto, lhe beijou e disse: "Ó quem por ti ofereceria meu pai e minha mãe para resgatar-lhe, fostes bom na vida e também na morte. Por certo, que a morte que Allah havia escrito para ti, foi cumprida". Cobriu seu rosto e foi à mesquita, pediu a Omar que ficasse em silêncio, mas continuou. Então, Abu Bakr adiantou-se, louvou a Deus e disse: "Quem adorava a Muhammad, saiba que Muhammad morreu. Porém, quem adora a Deus, saiba que Deus é o Univivente e jamais morrerá". E recitou o versículo do Alcorão: *E não é Muhammad senão um mensageiro, antes do qual vieram outros mensageiros. Se acaso morrer ou for morto, voltarão vocês à incredulidade. E quem voltar para trás não causará nenhum dano a Deus, e Deus recompensará os agradecidos * (3:144) (11). As palavras de Abu Bakr mostraram a realidade aos seus irmão e ele os firmou e os liderou ensinando-os a viver sem a companhia do Profeta, mas com seus ensinamentos vivos em suas vidas.

E assim a sabedoria e a firmeza de Abu Bakr fez com que os muçulmanos superassem enormes obstáculos que surgiram após a morte de Muhammad. Mais uma aula de Abu Bakr para os muçulmanos.

  Seu sacrifício pela causa de Deus

Pela causa do Islam, para fazer chegar estar luz à humanidade, Abu Bakr, concedeu tudo o que tinha de mais valioso na vida, sua alma, sua vida, sua família, seus bens... Preferia ser molestado e agredido no lugar do mensageiro de Deus. Assim eram os companheiros do profeta Muhammad e os muçulmanos fiéis, imaginem Abu Bakr, considerado o primeiro em tudo. Apanhou até desmaiar frente à kaaba defendendo ao profeta. Na sua viagem com o profeta até Madinah deixou sua família e bens e concedeu a sua vida para acompanhar ao profeta.

 * Entre os crentes há homens que cumpriram o que a Allah haviam prometido, há os que já morreram e outros que esperam, sem violarem a sua promessa...* (33:23)

  Continuando a narrar a conduta exemplar de um desses homens, apresentamos Abu Bakr e...

Seu sacrifício pela causa de Deus e do bem

Quando Allah permitiu que o seu mensageiro imigrasse de Makkah à Madinah, veio até a casa de Abu Bakr em um horário em que não costumava vir. Logo Abu Bakr percebeu que algo de máxima importância o trouxe até ele. O assunto era exatamente o que Abu Bakr mais esperava, preparando-se para partir com o profeta Muhammad rumo à Madinah deixando para trás família, bens e sacrificando sua própria vida para que Deus lhe retribua mais tarde com o paraíso eterno.Sobre a esperança de Abu Bakr e sua ansiedade em acompanhar o mensageiro de Deus foi relatado que certo dia veio até ele e pediu-lhe permissão para imigrar (pois alguns companheiros já haviam imigrado). Então o mensageiro disse-lhe: "Tenha calma, pois espero que me seja permitido". "O senhor espera que lhe seja permitido...?", perguntou Abu Bakr. "Sim", respondeu o profeta. Aos ouvir isso, Abu Bakr dedicou-se preparando-se para acompanhá-lo, preparou e alimentou duas montarias que possuía, cuidando delas durante quatro meses. Assim Abu Bakr esperava  a permissão de Deus para a grande viagem, a viagem de sua vida. Viagem por benefício material? Por turismo? Não. Mas uma viagem para sacrificar sua alma pela causa de Deus, o que significa, pela causa dos seres humanos até o fim do mundo, pois para eles ele lutou para fazer a mensagem de Allah prevalecer e chegar até eles. Quando viu o profeta chegando em sua casa em horário não muito comum, logo disse: "Por ti ofereceria meu pai e minha mãe para resgatar-lhe, por Allah, não viestes aqui nesta hora senão por algo muito importante". O mensageiro aproximou-se, pediu permissão para entrar e após lhe ser permitido entrou e disse para Abu Bakr: "Retire quem está contigo". Abu Bakr disse: "São a sua família...". Então disse-lhe:"Me foi permitido sair (de Makkah)". Então, Abu Bakr ofereceu-lhe uma das montarias já preparadas, mas o profeta disse-lhe: "pelo preço ( só pagando )". Ao receber esta boa notícia, Abu Bakr emocionou-se, e sua filha Áíshah disse: "Juro por Deus, nunca ter visto alguém chorar de felicidade antes desse dia". Esta era a felicidade de Abu bakr, sua felicidade era poder estar ao lado do mensageiro de Allah, poder sacrificar-se pelo mensageiro de Deus, lhe ser aceito seu sacrifício.

Este foi seu esforço e sacrifício individual, porém não foi só isso. Decretou "estado de emergência" em sua casa e utilizou toda sua família para servir o profeta Muhammad na hijrah (imigração de Makkah à Madinah). Suas filhas levavam alimento até a caverna de thaur, onde se esconderam por três dias despistando quem os perseguia. Seu filho Abdullah trazia as informações do que se passava na cidade enquanto estavam escondidos na caverna. O pastor das ovelhas de Abu Bakr levava o rebanho para apagar as pegadas deixadas por Assmá (também filha de Abu Bakr) e Abdullah no caminho até a caverna, e aproveitava para que tomassem do leite deste rebanho...  

Antes que o profeta entrasse na caverna, Abu Bakr adiantou-se e entrou primeiro. Para que? Para protegê-lo de algo que pudesse atingi-lo, como cobras ou escorpiões, limpando o local antes que o profeta entrasse.

Após ficarem três dias na caverna de thaur seguiram viajem rumo à Madinah. Abu Bakr adiantava-se à frente do profeta, depois ficava na sua retaguarda, depois à sua direita e à sua esquerda, imaginando que um ataque poderia ser feito a qualquer momento e, preferia ser atingido do que a deixar o seu companheiro e mensageiro de Deus o ser. O profeta disse-lhe: "Abu Bakr, prefere ser atingido no meu lugar?. Abu Bakr lhe responde, mostrando sua preocupação com o bem geral da nação e diz: "Ó mensageiro de Deus, se eu morrer eu sou um só homem, mas se o senhor morrer morre toda a nação".

Seus bens também foram postos à disposição do mensageiro de Allah. Assmá filha de Abu Bakr relata que quando o profeta Muhammad imigrou, Abu Bakr levou tudo o que possuía, cinco ou seis mil moedas de prata. Em outra ocasião, é relatado que o profeta incentivou seus companheiros a fazerem doações. Então Omar disse: "Hoje ganho de Abu Bakr" e trouxe seus donativos até o profeta que lhe perguntou: "O que deixastes para sua família?". "A metade de meus bens", respondeu Omar. Depois veio Abu Bakr e fez sua doação e respondeu à mesma pergunta: "Deixei para eles Deus e o seu mensageiro". Então Omar, admitindo a virtude de Abu Bakr, disse: "Juro que não competirei mais com Abu Bakr"

Estes são exemplos que parecem lendas e imaginações na vida material e capitalista da atualidade, porém são verdades que aumentam a nossa fé como estes homens viviam para Deus e por Deus. E graças a Deus, a nação hoje ainda tem centenas de seguidores de Abu Bakr e Omar em suas virtudes...

  Sua humildade

Quando lhe foi delegada a responsabilidade de ser o sucessor do profeta Muhammad no governo mostrou sua humildade ao proferir o seu primeiro sermão como governante e líder dos muçulmanos, estabelecendo os princípios da justiça no momento em que graves problemas estariam por acontecer devido à morte do mensageiro de Deus que deixou com seus sucessores a responsabilidade de dirigir a nação e orientá-la... "Me foi concedida a autoridade sobre vós, porém não sou o melhor entre vós. Se fizer o bem ajudem-me e se errar corrijam-me. A verdade é um encargo e a mentira uma traição. O fraco entre vós para mim é forte até garantir os seus direitos. E o forte entre vós para mim é fraco até faze-lo cumprir os seus deveres. Toda nação que abandona o jihad, Deus os castiga com a humilhação. E todo povo em que se espalha a obscenidade, Deus espalha entre eles a desgraça (e as doenças). Obedeçam-me enquanto estiver obedecendo a Allah e seu mensageiro; porém, se desobedece-los, não me devem obediência alguma". Assim Abu Bakr aceitou o khalifado sem desejá-lo, mas para levar em frente a mensagem de Allah que o Muhammad deixou entre nós como última orientação ao homem.

Quando tornou-se khalifa, algumas senhoras para as quais Abu Bakr trazia leite diariamente disseram: "Agora, Abu Bakr não irá mais nos trazer leite de nossas cabras". Esta frase chegou até Abu Bakr, que disse-lhes: "Sim, eu juro por Allah, que irei lhes trazer leite como fazia antes, e espero que Allah não permita que eu mude em alguma qualidade que costumava ter antes do khalifado".

Este foi Abu Bakr, o homem que acompanhou o mensageiro de Deus em todas as situações e ensinou aos muçulmanos de ontem, hoje e amanhã que ser fiel à Deus é estar de acordo com suas normas em qualquer situação e condição, em todos os assuntos; e estar com quem este caminho segue, orientando-se com ele, como fez Abu Bakr com o profeta Muhammad... * Sê pacientes, juntamente com aqueles que pela manhã e a noite invocam o seu Senhor, querendo contemplar a Sua face. E não deixes que teus olhos passem além deles, buscando o encanto da vida terrena...*  (18:28).

Este foi Abu Bakr, hoje enterrado em Madinah, ao lado do próprio companheiro, o profeta Muhammad.

Dentre suas palavras e conselhos temos:

"Ó Omar,tema a Deus, e saiba que existem ações que devem ser feitas de dia que não são aceitas por Deus de noite, e ações de noite que não são aceitas de dia; e Deus não aceita a ação voluntária até que você faça a obrigatória. E saiba que, as balanças ( das boas ações no dia do juízo) de muitas pessoas estão a pesar bastante por terem seguido a verdade na vida terrena...".

" Não há descendência entre Deus e ninguém dentre suas criaturas, pela qual lhes dá algum benefício, ou lhes protege de algum mal a não ser a obediência e seguir à sua ordem. E não há bem num bem depois do qual se sucede o inferno; e não há mal num mal depois do vem o paraíso".

" Lhes aconselho a temer a Allah e a louvá-lo de acordo com aquilo que merece. Misturem a esperança e o temor e unam entre se reservar e implorar, pois Deus elogiou Zacarias e sua família e disse: * ...competiam no praticar das boas ações, recorrendo a Nós com esperança e temor, e sendo humildes a Nós * (21:90). E saibam que Deus confiou suas vidas com o seu direito, e tomou vossas promessas nesta confiança, e comprou de vós pouco e passageiro (menção a aquilo do qual não podemos usufruir nesta vida mundana) para lhes retribuir muito e eternamente. E este é o livro de Allah entre vocês, seus grandiosos significados são infinitos, e sua luz não apaga, por isso creiam no que diz, e se orientem por ele e o tenham como luz para o dia da escuridão, pois Deus vos criou para Sua adoração e delegou sobre vós os generosos escrivãos que sabem o que vocês fazem. E saibam, ó servos de Deus, que vocês vivem suas noites e dias sob um decreto (da morte) que lhes é ausente o seu conhecimento. Assim, se puderem fazer com que suas vidas acabem estando numa ação para Deus o façam, e não conseguirão isto a não ser com Deus, assim sendo, corram enquanto o decreto (da morte) ainda é lento antes que acabem suas vidas e sejam retornados às vossas piores ações, pois algumas pessoas entregaram seus decretos (da morte) para outros e esqueceram de si próprios, vos proíbo de ser como eles, a salvação, a salvação, atrás de vocês há um perseguidor imponente, cuja decreto é rápido (a morte)"