A Obediência

A obediência é o principio mais importante da prática, pois, como já dissemos, todo ser humano é trabalha, todo ser humano agi, todo ser humano pratica. Cada qual de acordo com seus princípios e objetivos nesta vida. E a prática do muçulmano é aquela baseada nos princípios islâmicos, nos princípios estabelecidos por Deus para o ser humano, portanto, deve estar condicionada às normas de Deus. Por isso, a obediência é o princípio básico da prática que, quando ausente na vida do muçulmano, o transforma num ser sem identidade, sem personalidade, confuso por guardar sua fé dentro de si e não expô-la e deixá-la influenciar sua vida e dirigi-la ao caminho da senda reta.

A obediência é a disciplina, é a fidelidade às normas de Deus, baseada na crença existente dentro do intimo deste ser, a crença em Deus e na sua doutrina, a crença no Seu Livro e no Seu mensageiro, uma obediência que rege a vida do ser humano que testemunhou ser de Deus e que à Deus retornará, uma obediência bem definida e entendida, que traz a felicidade absoluta tanto na dificuldade como na facilidade, tanto na escassez como na abundância, tanto nas situações favoráveis como nas adversas, tanto na força como na fraqueza. Traz a felicidade e livra o homem das turbulências que podem o atingir nestas ocasiões porque sua submissão à Deus ocorre também em todas estas circunstâncias. Assim, este ser humano, ao estar ligado à Deus em todas as fases e momentos de sua vida, não teme quando as pessoas temem, não se desespera quando todos se desesperam, não fracassam quando outros fracassam, pois tem algo que o faz superar as dificuldades desta vida: a fé prática e ágil.

Perceba que dizemos: a fé prática e ágil, a fé exposta, para diferenciá-la das crenças que não ligam o homem ao Verdadeiro Criador e da fé inerte, apagada e anestesiada que muitas pessoas têm e dizem: "a fé está no coração". A estes dizemos: Sim queridos. A fé mora no coração, porém não deve ficar adormecida no coração, a fé mora no coração, porém é conhecida e traduzida através da prática. Como pode o homem dizer ter fé no Alcorão, mas não condicionar sua vida ao determinado neste Alcorão. Ao concordar com este "adormecimento da fé", você está a concordar com aquele que pode vir a dizer: Confio plenamente no projeto de fulano para o sucesso desta empresa (ou deste país). Porém, não segue as normas estabelecidas por este líder (presidente ou diretor). Este indivíduo estará colaborando para a falência desta empresa (ou país) por estar praticando o oposto ao estabelecido para o seu desenvolvimento. Teve a fé no seu íntimo e confiou e esteve convicto, porém, por causas diversas não quis condicionar-se às normas estabelecidas.

Assim também é a religião, que para o muçulmano, é o sistema geral estabelecido por Deus para o bem do ser humano e o bem do mundo onde vive. E quando a prática foi contrária ao estabelecido pelo Criador deste mundo, o homem sofreu as conseqüências do fracasso e infelicidade. Que ninguém olhe para as aparências da vida e afirme estarmos vivendo felizes e tranqüilos, pois a vida vai muito além daquilo que vemos ou sentimos,e o conhecimento sobre este além só é alcançado através da fé naquilo que Deus informou existir e acontecer. E sobre esta ilusão do homem de pensar ser conhecedor de tudo e estar salvo por ter estas felicidades momentâneas da vida, Deus diz:* Conhecem tão somente o aparente da vida terrena; porém, estão alheios quanto à outra vida. Porventura não refletem em si mesmos? Deus não criou os céus e a terra e o que existe entre ambos, senão com prudência e por um término prefixado...* (30:7-8). Os seres humanos distraídos e que têm uma fé adormecida vêm no enfeite desta vida e no seu galanteio e diversão o sucesso e desenvolvimento que aspiram e não pensam senão na vida que lhes foi imposta, a vida de matéria e desejos, a vida de comilança e riqueza... e Deus nos esclarece o outro lado da vida, a realidade da viagem humana por este universo...* A similitude da vida terrena equipara-se à água que enviamos do céu, a qual mistura-se com as plantas da terra, de que se alimentam os homens e o gado; e quando a terra se enfeita e se engalana, a ponto de seus habitantes crerem ser seus senhores, açoita-a o Nosso desígnio, seja à noite ou de dia, deixando-a desolada, como se, na véspera, não houvesse sido verdejante. Assim elucidamos os versículos àqueles que refletem* (10:24)   ... * Aos homens foi abrilhantado o amor aos prazeres, dentre eles, as mulheres, os filhos, o entesouramento do ouro e da prata, cavalos de raça, gado e sementeiras. Tal é o gozo da vida terrena; porém, Deus tem melhor recompensa (para os tementes a Ele e obedientes à sua Lei* (03:14).

Portanto, a felicidade plena que abrange a vida terrena e a vida eterna, abrange a vida material e a vida espiritual, esta felicidade está na obediência às normas de Deus, na obediência Àquele que criou o homem e sabe o que é melhor para Ele, e fê-lo conhecer através da mensagem o que é melhor para ele. E ao ter este conhecimento, que siga as instruções e faça valer a qualidade de "racional" que carrega consigo.

A seguir, vamos ver o que Allah, o Altíssimo diz sobre a obediência à Sua Lei. Como deve ser esta obediência? É difícil esta obediência? Exemplos da obediência e desobediência e seus respectivos frutos...vamos refletir, raciocinar, conhecer os caminhos à nós apresentados e escolher entre eles aquele que nos leva à felicidade que tanto desejamos.

Disse Deus o Altíssimo:

* Ó crentes, obedeçam à Allah, obedeçam ao mensageiro e às autoridades dentre vós. Se disputardes sobre qualquer questão, recorrei a Deus e ao Seu mensageiro, se crerdes em Deus e no dia do juízo final, porque isso vos será preferível e de melhor interpretação* (04:59)

*Aqueles que obedecem a Allah e ao Mensageiro, contar-se-ão entre os agraciados por Deus dentre os profetas, verazes, mártires e virtuosos. Que excelentes companheiros serão* (04:69)

*Quem obedecer ao mensageiro obedecerá a Allah; mas quem se rebelar, saiba que não te enviamos para lhes ser um guardião* (04:80)

*...E quem obedecer a Allah e ao Seu mensageiro terá logrado um magnífico benefício* (33:71)

*Dize: Obedecei a Allah e ao Mensageiro. Mas, se se recusarem, saibam que Allah não aprecia os incrédulos* (03:32)

*Temei, pois, a Allah, tanto quanto possais. Escutai, obedecei e fazei caridade, que isso será preferível para vós...* (64:16)

*...Aceitai, pois, o que vos der o Mensageiro, e abstende-vos de tudo quanto ele vos proíba. E temei a Allah, porque Allah é severíssimo no castigo* (59:07)

*Ó crentes, obedecei a Allah e ao Seu Mensageiro, e não vos afasteis dele enquanto escutais. E não sejais como aqueles que dizem: Escutamos! Quando na realidade não escutam* (08:20-21)

*E Dize:Agi, e Allah verá vossa ação, e assim também o mensageiro e os crentes (verão vossas ações), e logo retornareis ao Conhecedor do desconhecido e do  conhecido, o Qual vos inteirará de tudo quanto fizestes* (09:105)

E o profeta Muhammad disse:

"Aquele que me obedecer estará obedecendo à Allah, e quem me desobedecer estará desobedecendo a Allah. E aquele que obedecer ao amir estará me obedecendo e, que o desobedecer estará me desobedecendo" (muttafac alaih)

"Todos os meus seguidores entrarão no paraíso, exceto quem se recusar".  Perguntaram-lhe: "E quem se recusará, ó mensageiro de Allah?". Respondeu: "Aquele que me obedecer, entrará no paraíso, e aquele que me desobedecer será aquele que se recusará" (Bukhari)

"É obrigação do muçulmano ouvir e obedecer (ao superior) naquilo que gosta e naquilo que detesta, a não ser que lhe seja ordenado um pecado. Assim, se for ordenado a fazer um pecado, que não ouça e nem obedeça" (Muttafac alaih)

 "Quem se rebelar contra a autoridade –sem justificativa- encontrar-se-á com Allah, no último dia, sem que tenha argumento algum. E quem morrer sem ter fidelidade (compromisso)(*)  morrerá na situação de perdição" (Muslim)  (*) com a autoridade escolhida pela nação muçulmana, exceto na desobediência a Deus.

Baseando-se nos textos acima citados, concluímos que...

  Deus estabeleceu que a vida do muçulmano deve estar condicionada àquilo que Ele decretou. O lícito para o muçulmano é aquilo que Deus estabeleceu lícito, mesmo que toda a humanidade estabeleça o contrário. Da mesma forma, o ilícito para o muçulmano é aquilo que Deus estabeleceu ilícito, mesmo que toda a humanidade estabeleça o contrário ou o pratique. E conhecemos o lícito e o ilícito através do Alcorão e da sunnah (tradição) do profeta Muhammad de acordo com a interpretação dos sábios que entenderam, ensinaram e desenvolveram os estudos religiosos ontem e hoje. E, principalmente, quando não nos é clara a sentença numa destas duas fontes, recorremos aos sábios conhecidos pela nação muçulmana como idôneos e de confiança. E não recorremos apenas à nossa mente, pois esta não conhece e domina toda a verdade. Mas Deus é a verdade, diz a verdade e estabelece a verdade. E Ele estabeleceu que os sábios, doutos e conhecedores é que devem sentenciar sobre a sua Lei. Por isso, os nossos sábios são a nossa fonte naquilo que não possui texto específico ou que tem várias interpretações ou que é flexível, deixado por Deus à escolha e situação da sociedade e da época.

Aquilo que o profeta de Deus estabeleceu é como o estabelecido por Deus... Não fala por capricho. Isso não é senão a inspiração que lhe foi revelada (53:3-4) E o líder também deve ser obedecido, a não ser que ordene o ilícito. Os textos do Alcorão citam a obediência à Deus, ao mensageiro e à autoridade. E o mensageiro de Deus, especificou e condicionou a obediência à autoridade e à liderança à licitude por ser o ser o humano falível, a não ser o mensageiro de Deus, por ter a revelação de Deus. Por isso dizemos: "Se houver consenso entre os sábios em certa questão, este consenso é considerado uma fonte como o Alcorão e a sunnah. Fora isso, tudo aquilo que foi herdado dos sábios das primeiras gerações estando de acordo com o Alcorão Sagrado e a sunnah aceitamos, do contrário, o Alcorão e a tradição do mensageiro de Deus têm prioridade em serem seguidos. E nesses casos, não atacamos personalidade alguma por terem divergido em alguma questão, insultando-os ou desprezando-os, porém, os entregamos às suas intenções, pois já encontraram o que plantaram".

O muçulmano deve ter uma autoridade que o oriente. Para este dá o seu voto de confiança e o seu compromisso de fidelidade. Não é uma obediência cega e compromisso vazio, mas uma organização individual e coletiva, para que aprenda e pratique sua religião, sirva à sua nação  e à sociedade, direcione seus dom e seu trabalho para o bem de todos e felicidade geral da nação sob a orientação de um líder de confiança, que tenha um conhecimento geral, sobretudo do Alcorão e da Lei de Deus. ( ver : O compromisso da fé)

 O Alcorão proíbe expressamente que o homem tenha uma obediência cega e sem limites a qualquer ser. A obediência total e submissão é exclusivamente de Deus. E a obediência às outras pessoas está condicionada ao estabelecido por Deus. Já citamos um versículo nas páginas anteriores que lembra e exemplifica a obediência cega que fez judeus e cristãos desviarem-se da senda reta de Deus. Em outros versículos do Alcorão Sagrado, Deus determina que a benevolência e obediência aos pais é uma obrigação dos filhos. Porém, faz uma exceção: que esta obediência não contrarie a obediência à Deus, pois é proibida a obediência de uma criatura quando esta resulta em desobediência ao Criador. Disse Deus, o Altíssimo: *E recomendamos ao homem benevolência para com seus pais; porém, se te forçarem a associar-me ao que ignoras, não lhes obedeças. Sabei (todos vós) que o vosso retorno será a Mim, e, então, inteirar-vos-ei de tudo quanto houverdes feito* (29:08). É relatado que Saád ibn abi Waqass disse: "Eu respeitava minha mãe e, quando tornei-me muçulmano, ela disse-me: "Ou você nega tua religião ou não comerei e não beberei até morrer e, assim, as pessoas te culparão por minha morte e será chamado: o assassino de sua mãe". Passaram-se alguns dias e ela se recusava a alimentar-se. Então disse a ela: "Ó mãezinha, se tu possuirdes cem almas, e cada uma delas saísse (se a senhora morrer cem vezes) não deixarei minha religião, portanto, se quiserdes coma e se não quiserdes não coma". Quando viu minha seriedade comeu, e Deus revelou este versículo... se te forçarem a associar-me ao que ignoras.." (al Wahidi. Ual qissatu fi Musslim ua Tirmizhi)

E dentre as palavras do profeta Muhammad: "Aquele que desagradar a Deus para agradar aos homens, estará Deus descontente com ele e (Deus) descontentará aqueles que quis agradar com o desagrado de Deus. E aquele que agradar a Deus mesmo desagradando aos homens estará Deus contente com ele e (Deus) agradará aqueles que desagradou para agradar a Deus, enfeitando o que ele diz e faz aos seus olhos". Que o homem tenha a convicção de que nunca conseguirá agradar a todos, pois que agrade a Deus e Ele proverá o bem nas nossas mãos.

Aqui também cabe outro conselho importante... quanto mais próximo e obediente é o homem de Deus, mais será examinado e mais poderão se descontentar as pessoas com ele. Temos nos mensageiros de Deus os mais nobres exemplos disso. Tiveram opositores e acabaram por sofrer perseguições simplesmente por dizerem "Deus é o nosso Senhor". Assim ocorreu entre Abraão e seu pai, entre Noé e seu povo, seu filho e sua esposa, entre Moisés e o povo do Egito, entre Jesus e os judeus, entre Muhammad e seus tios e seu povo.

Devemos saber que o caminho da verdade é cheio de espinhos e obstáculos, mas tem um destino feliz. E a incredulidade, o pecado e a hipocrisia tem um caminho florido e aconchegante, porém um final infeliz e indesejável. Porém, estes obstáculos no caminho da verdade e da obediência aparecem para alguns de uma forma, para outros de outra forma, para outros intensamente e para outros não aparece. Por isso, a verdade não é medida pelo sofrimento ou pelo sucesso que o homem adquire ao seguir certo caminho, nem pela cura ou pela doença, nem pela libertação do mal ou sofrimento nele, pois todos estes e muitos outros são sentimentos e acontecimentos que variados e irregulares que podem açoitar ou lapidar a vida do crente ou do incrédulo, do obediente ou do desobediente.

Esta verdade é conhecida através da Orientação de Deus, revelada em várias épocas a vários de seus mensageiros e profetas, que foram o exemplo da obediência à Deus em todas as situações.

Dentre os textos alcorânicos citados, Deus indica que a obrigação do homem em obedecer à Deus e ter uma vida digna condicionada aos Seus limites está dentro da capacidade e força do ser humano. A mesma força impetrada para fazer o mal, o ilícito e o proibido, pode ser utilizada para o bem, para a obediência e para a retidão.

Deus quer o nosso bem e a nossa salvação. Para isso, exige apenas a nossa obediência. Nos versículos a seguir há um conselho para os que dizem ser difícil a religiosidade, não conseguem frear os impulsos e desejos que fervem dentro de si, não conseguem cumprir uma ordem divina e contrariar seus impulsos em troca da recompensa eterna e da salvação no dia da verdade 

Deus, o Altíssimo, diz:

*Ele (Deus) vos elegeu. E não vos impôs dificuldade alguma quanto à religião, porque é o credo de vosso pai Abraão...* (22:78)

*Allah tenciona elucidar-vos os Seus preceitos, iluminar-vos, segundo as tradições dos vossos antepassados, e absolver-vos, porque é Sapiente, Prudentíssimo. Allah deseja absolver-vos; porém, os que seguem os desejos vãos anseiam por vos desviar profundamente. Allah deseja aliviar-vos o fardo, porque o homem foi criado débil* (04:26-28)

*Allah não impõe a nenhuma alma carga superior às suas forças. Beneficiar-se-á  com o bem quem o tiver feito e sofrerá com o mal quem o tiver cometido...* (02:286)

 E Ibn Omar disse: "Quando dávamos a nossa palavra de fidelidade em ouvir e obedecer ao mensageiro de Allah, ele nos dizia: "No que puderes"" (Mutafac alaih)

Abu Hurairah relata sobre a revelação do versículo...* Allah não impõe a nenhuma alma carga superior às suas forças* que:

"Deus diz: * A Allah pertence tudo quanto há nos céus e na terra. Tanto o que manifestais, como o que ocultais, Allah vo-lo julgará. Ele perdoará a quem desejar e castigará a quem Lhe aprouver, porque é Onipotente* (02:284).

A revelação deste versículo assustou os companheiros do profeta, que vieram até ele e ajoelhados disseram: "Ó mensageiro de Allah, fomos ordenados a fazer certas ações que estão ao nosso alcance: a oração, o jejum, a luta, a caridade. Porém, lhe foi revelado este versículo e está acima da nossa capacidade (não temos condições de cumpri-lo)". Disse o mensageiro de Deus: "Querem dizer como disseram os adeptos dos dois livros (tora e evangelho) antes de vós, (disseram: ouvimos e desobedecemos)? Porém, digam: Escutamos e obedecemos, só anelamos a tua indulgência, ó Senhor nosso. A ti será o retorno". Então disseram: "    

" Estas palavras correram suaves em suas línguas, e Deus revelou logo depois" ... *O mensageiro crê no que foi revelado por seu Senhor, e todos os crentes crêem em Allah, em Seus anjos, em Seus livros e em Seus mensageiros. Nós não fazemos distinção entre os Seus mensageiros. Disseram: Escutamos e obedecemos. Só anelamos a Tua indulgência, ó Senhor nosso! A Ti será o retorno* (02:285). Quando fizeram o citado, Deus ainda revelou um terceiro versículo revogando o anterior (que tinha peso e encargo insuportáveis) e disse... *Allah não  impõe a nenhuma alma uma carga superior às suas forças. Beneficiar-se-á com o bem quem o tiver feito e sofrerá com o mal quem o tiver cometido. Ó Senhor nosso, não nos condenes, se nos esquecermos ou nos equivocarmos! Ó Senhor nosso, não nos imponhas carga, como a que impuseste aos nossos antepassados! Ó Senhor nosso, não nos sobrecarregues com o que não podemos suportar! Absolve-nos! Perdoa-nos! Tem misericórdia de nós! Tu és nosso Protetor. Concede-nos a vitória sobre os incrédulos*(02:286)

 No último versículo Deus atende aos seus servos e lhes cobre com sua misericórdia ao não impor sobre eles carga superior às suas capacidades. A aqueles que submeteram-se às ordens de Deus e creram em Seus mensageiros e em Seu Livro, Deus lhes concedeu a facilidade, após terem dito "Escutamos e obedecemos" e terem sido sinceros Deus os tranqüilizou e os fez felizes nesta vida e a felicidade plena terão amanhã no paraíso. Lhes tranqüilizou ao atender às suas preces...

1.  Ó Senhor nosso, não nos condenes se nos esquecermos ou nos equivocarmos

2.    ...não nos imponha carga, como a que impuseste aos nossos antepassados

3.  ... não nos sobrecarregue com o que não podemos suportar

4.  ... absolve-nos, perdoa-nos, tem misericórdia de nós, concede-nos a vitória...

A cada um desses pedidos e implorações, Deus disse: "Já o fiz". Ou seja, está atentido vossas preces.

Disse o profeta Muhammad: "Deus absolveu minha nação do erro, do esquecimento e daquilo ao qual foram induzidos". Serão responsabilizados pelos atos praticados intencionalmente e conscientemente.

Sobre as cargas impostas aos antepassados, lhes eram proibidos muitas coisas lícitas por causa da injustiça que cometiam. Se cometiam um pecado de noite, encontravam seu erro registrado em suas portas, como forma de desmascarar o pecador. As orações lhes eram obrigatórias cinqüenta vezes ao dia, e foi facilitado para esta nação e diminuído o peso da obrigatoriedade de cinqüenta para cinco orações. E assim também, tantas são as dádivas de Deus, lícitas e saudáveis para nós, tantos são os nossos erros encobertos pelo Misericordioso que tem pleno conhecimento e poder, porém nos atrasa o castigo e nos dá uma chance para o arrependimento.

Tudo isso e muito mais faz parte de "não nos imponha carga, como a que impuseste aos nossos antepassados" e "não nos sobrecarregue com o que não podemos suportar"

Se fossemos ordenados a fazer o que não suportamos e não temos capacidade já estaríamos condenados ao castigo, porém Deus nos estabeleceu uma Lei compatível com nossas capacidades e benéficas ao ser humano. Por isso, quando falamos da obediência e disciplina que o indivíduo muçulmano precisa manter em sua vida, lembramos desta misericórdia, para que tenhamos em nossas mentes, antes de tudo, que... a obediência é uma dádiva antes de ser um encargo, uma felicidade antes de ser uma responsabilidade, é um descanso antes de ser um cansaço. O obediente é suporta o encargo e aceita a responsabilidade com o coração cheio de fé, felicidade, conforto e tranqüilidade, ciente e consciente de que esta obediência lhe trará a felicidade verdadeira. É aquele que cansa pouco para receber muito, da mesma forma descansa pouco agora para descansar muito e eternamente amanhã.

Para atestar a misericórdia de Deus ao exigir a obediência de nós lembramos destas revelações do Alcorão Sagrado para tranqüilizar o coração de quem quer viver com o Alcorão em seu coração e sua vida. Para que, antes de conhecer as regras e as leis, o lícito e o ilícito, carregue em seu íntimo que a obediência é para o seu benefício e as regras são para o seu bem. Assim, ele verá as obrigações estabelecidas por Deus fáceis e leves, pois as aplica em sua vida após a fé ter entrado realmente em seu coração. Deus é mais importante do que tudo em sua vida, por isso lhe é fácil a obediência à Ele, pelo valor que Deus tem em sua vida, diferente daquele que não sabe o que significa Deus, Criador, criação, fé, lei..., diferente daquele que não sentiu o gosto da fé...

Disse o profeta Muhammad: "Três coisas, se a pessoa possuir, sentirá o gosto (doçura) da fé: Que Deus e o Seu mensageiro sejam mais amados por ele do que tudo. Que ame à pessoa, não a ame senão por Deus. Que deteste voltar à incredulidade depois de Deus lhe ter salvo dela como detesta ser jogado no fogo".  

 A revelação dos últimos versículos de suratal baqarah citadas acima é sinal de que quanto mais o homem aceita o que Deus lhe prescreveu, mais lhe é facilitado, mais lhes são abertas as portas. No exemplo corriqueiro desta vida mundana podemos dizer que o cliente que tem por costume cumprir com suas obrigações e pagar suas dívidas em dia, quando precisar um prazo maior ou um perdão de sua dívida por certo motivo, seu credor será maleável por conhecê-lo como bom pagador e pessoa honesta. Porém, alguém que tem por costume não pagar, prejudicar e molestar seu credor, este quando precisar se seu auxílio não o terá e será "excomungado". O mesmo ocorre com o crente, quando próximo de Deus e cumprindo com suas obrigações Deus lhe perdoará pelas faltas que pode ter cometido, porém, se nunca cumpriu com uma obrigação, sempre desafiou a Deus e ultrapassou Seus limites, lhe será mais dificultado o caminho para a salvação.

Nos foram perdoados os erros, o esquecimento e os atos que nos foram impostos. E Deus nos disse ter facilitado o caminho se tivermos força de vontade e dedicação. Tudo isso está registrado nos textos acima expostos, nos resta começar e partir para a verdadeira vida, a vida à sombra do Alcorão, à sombra da obediência à Deus, à sombra da convicção que nos traz tranqüilidade na facilidade e na dificuldade, no sofrimento e na alegria, na riqueza e na pobreza, na vida e na morte, porque estamos com Deus, e quem está com Deus, está com Aquele em cujas mãos está a sua vida e Ele, só Ele, pode lhe tranqüilizar e lhe dar felicidade...

Ibn Abbass relata que estava atrás do mensageiro de Deus, e este lhe disse: "Jovem, vou lhe ensinar algumas palavras: Guarde à Deus e Deus te guardará. Guarde a Deus e o encontrará diante de ti (quando precisar). Se pedires algo peça a Deus, se necessitares ajuda implore-a a Deus. E saiba que se todo o povo reunir-se para beneficiar-te em algo, não te beneficiarão senão que Deus tenha o escrito para ti. E se todos reunirem-se para prejudicar-te em algo, não te prejudicarão senão que Deus tenha o escrito contra ti. As canetas estão levantadas e as folhas secas". E em outro relato o profeta ainda disse: "Guarde a Deus e o encontrará diante de ti. Lembre de Deus no bem estar e Ele lembrará de ti no apuro. E saiba que o que te falhou não podia ter te atingido e o que te atingiu não podia ter falhado. E saiba que a vitória vem com a paciência, e que o alívio vem com o apuro, e que com a dificuldade vem a facilidade".