A Justiça e sua Marca na Vida da Nação

*Allah ordena a justiça, a prática do bem, o auxílio aos parentes, e veda a obscenidade, o ilícito e a injustiça. Ele vos exorta a que mediteis* (16:90)

Quando lembramos a Abu Bakr, Omar e tantos outros exemplos dos nossos antepassados que formaram-se na universidade do profeta nos vem em mente a justiça que carregavam em suas vidas, a justiça que iniciou-se dentro de seus íntimos e se estendeu entre os seres humanos ao seu redor.

Esta justiça que fez desses muçulmanos exemplos e orientadores da humanidade é muito mais abrangente e amplo do que podemos imaginar. Esta justiça significa colocar cada coisa em seu devido lugar, ser justo em todos os assuntos. E a injustiça significa colocar algo no lugar indevido. A  justiça em sua origem é cumprir os direitos e deveres e, dentro desse princípio, a primeira justiça que fez destes homens orientadores justos e líderes confiáveis foi a justiça com Deus, e quem não for justo com Deus sua justiça com os humanos não terá efeito...

  A. A pior e mais grave injustiça cometida pelo homem é a injustiça com o seu Criador, com aquele que lhe deu a vida e lhe concedeu tudo aquilo do qual usufrui. Deus cita esta injustiça no Alcorão dizendo: * Recorda-te de quando Lucman disse ao seu filho, exortando-o: Ó filho meu, não atribuas parceiros a Allah, porque a idolatria é a mais grave injustiça* (31:13). Assim Deus denomina a idolatria... a mais grave injustiça... por que? Porque o idólatra deu a uma criatura o que é direito de Deus, depositaram algo no lugar indevido. Deram à criatura a adoração que é direito do Criador, por isso foram chamados injustos. Portanto, a justiça começa com Deus, e a justiça com Deus é que a pessoa dê à Deus o seu direito: adorá-lo e conhecê-lo. Ibn Abbas relata que o profeta Muhammad perguntou-lhe: " Ó Ibn Abbas sabe qual é o direito de Deus sobre os humanos?. "Allah e seu mensageiros é que mais sabem", disse Ibn Abbas. Então o profeta disse: "Que o adorem e não adorem a ninguém além d`Ele". Depois perguntou-lhe: "Ó Ibn Abbas, sabe qual o direito dos humanos perante Allah?". Após Ibn Abbas responder com a mesma resposta anterior, o profeta disse: "Que Ele não os castigue se fizerem isto (adorá-lo unicamente)".

B. Outra injustiça não notada pela maioria das pessoas é a injustiça a si mesmo. Assim Allah, no Alcorão Sagrado, cita quem comete as más ações e pecados por Ele proibidos e diz: * E quem cometer uma má ação ou lese a si mesmo e, em seguida (arrependido), implora o perdão de Allah, acha-Lo-á Indulgente, Misericordioso. Quem cometer um pecado, fá-lo-á em prejuízo próprio. Certamente, Allah é Sapiente, Prudentíssimo * (4:110-111). Não há proibição a não ser que tenha nesta ação proibida algum prejuízo para o ser humano individualmente ou coletivamente, e não há benefício ou prejuízo algum para Deus, mas sim para o ser humano, e que para com Deus for justo estará o sendo consigo próprio. Num hadiss qudsi, o profeta Muhammad relata que Allah disse: "Ó servos meus. Certamente eu proibi a injustiça para Mim, e a proibi entre vós, portanto, não sejais injustos entre vós.Ó meus servos, todos vós estão perdidos (desviados) a não ser quem eu guiar. Portanto, implorem guia a mim e Eu os guiarei. Ó servos meus, todos vós estarão famintos, a não ser aqueles que eu alimentar. Portanto, peçam a Mim a alimentação e Eu os alimentarei. Ó servos meus, todos vós estarão nus, exceto quem eu vestir, portanto peçam a Mim a vestimenta e Eu os darei de vestir. Ó servos meus, vós cometeis faltas de dia e de noite, e Eu perdôo todos os pecados, portanto, implorem perdão a Mim e Eu os perdoarei. Ó servos meus nunca alcançarão o me prejuízo para Me prejudicar.E nem alcançarão o meu benefício para me beneficiar. Ó servos meus, se o primeiro entre vós e o último, os humanos entre vós e os gênios fossem todos piedosos no coração do mais piedoso entre vós, isto não adicionava nada ao meu reino. Ó servos meus, se o primeiro entre vós e o último, os humanos entre vós e os gênios fossem todos depravados no coração mais libertino e depravado entre vós, isto não diminuiria nada em meu reino. Ó servos meus, se o primeiro entre vós e o último, os humanos e os gênios, estivessem num só lugar me rogando, e Eu desse para cada um o seu pedido, não diminuiria isto do que eu possuo a não ser como diminui a agulha quando introduzida no oceano. Ó servos meus, são só vossas obras que computo e depois as retribuirei. E quem encontrar o bem que agradeça a Allah, e quem encontrar o contrário que não culpe senão a si mesmo".

Assim Deus ensina como a injustiça é proibida e quando praticada recai sobre o próprio injusto que terá o seu dia de retribuição... *E não creiais que Allah está desatento a tudo quanto cometem os injustos. Ele somente os tolera, até o dia em que seus olhos ficarão atônitos... Admoesta, pois, os humanos sobre o dia em que os atingirá o castigo, e os injustos dirão: Ó Senhor nosso, poupa-nos por mais um pouco, para obedecermos ao Teu apelo e seguirmos os mensageiros! (Ser-lhes-á respondido) Mas não jurastes antes que não seríeis aniquilados. Residistes nos mesmos lugares daqueles que se condenaram, apesar de terdes presenciado o que lhes aconteceu e de vos termos dado  exemplos.... Nunca penseis que Allah falta à promessa feita aos Seus mensageiros, porque Allah é Punidor, Prudentíssimo * (14: 42-47).

C. E após sermos justos com aquele que nos criou e nos ordenou a justiça e sermos justos com nossas próprias almas, seremos, naturalmente, justos com as criaturas, justos com todos aqueles com os quais vivemos, pois o temor a Deus e o temor do encontro perante Ele no Seu tribunal nos impedirá da injustiça, e se isto não impede, nos impedirá o respeito que guardamos pelo próximo, e se o temor e a relação com Deus  e o respeito não faz de alguém justo, as leis pouco poderão fazer. Vemos os exemplos de justiça claros na vida do mensageiro de Allah e seus seguidores justos...

  É relatado que uma mulher roubou e foi condenada na época do profeta Muhammad. Sua tribo tentou intervir enviando Ussama ibn Zaid para pedir ao profeta que não aplicasse a pena sobre ela, pois seria uma vergonha para sua tribo (Banu makhzum). Nervoso por ver Ibn Zaid intervir por ser esta mulher de uma tribo nobre, o mensageiro disse: "Você quer intervir numa lei das leis de Deus!? Juro por Allah, se Fátimah filha de Muhammad (sua filha) roubar eu cortarei a sua mão. O que causou a destruição nos povos que nos antecederam é que quando o fraco entre eles roubava aplicavam a pena prevista sobre ele, e se o nobre entre eles roubava o deixavam"

  Também nos é relatado que antes de sua morte o profeta dizia aos seus companheiros: "Aquele para o qual eu estiver devendo algo que o leve agora". Um homem disse: "Certa vez quando o senhor estava a organizar nossas fileiras bateu nas minhas costas". O profeta disse: "Aqui estão as minhas costas, é seu direito bater". O homem ainda disse: "Me batestes com as costas nuas", então o profeta ergueu sua roupa, e este homem começou a abraçá-lo e beijar o sinal da profecia.

O mensageiro de Kissra, rei da Pérsia, veio até Madina para ver a Omar, o governante dos muçulmanos, veio ver sua situação e sua nação, pois era temido e respeitado por todos no mundo.Imaginava encontrar um castelo, seguranças, serventes, etc., porém, quando veio não encontrou nada disso. Perguntou à população: "Onde posso encontrar o rei de vocês?", "Não temos rei, temos um amir", responderam. E disseram que está pela cidade. Procurou-o até que o encontrou dormindo na areia do deserto debaixo do sol, com o suor a escorrer de seu corpo. Parou espantado e pensou consigo mesmo: "Este é o homem respeitado e temido por todos os reis, e que não tomam decisão sem fazer conta da sua presença!?". Depois concluiu inteligentemente: "Mas Omar, você governou, promoveu justiça, e assim teve segurança e, pode dormir". Concluiu que a justiça resultou na segurança e tranqüilidade da nação que tinha no governante justo a confiança e o respeito. Assim eles nos ensinaram a justiça que tanto o mundo procura atualmente e que está ocultada nas páginas da história islâmica da qual até mesmo nós muçulmanos não temos grande conhecimento.

  Outro exemplo de justiça sincera que começou com a justiça no conhecimento e adoração a Deus e depois na observação das leis de Deus e resultou num governo e comunidade justos... Omar, tinha no seu governo Amr ibn al Ass como seu representante e governante no Egito. O filho de Amr agrediu um egípcio e este, logo enviou uma carta para o Emir, Omar. Quando a recebeu, logo ordenou que Amr viesse com seu filho até Madina. Encontraram-se em Madina Amr, seu filho, o egípcio e Omar e, o agressor confessou perante Omar ter agredido aquele homem. Omar, imediatamente, deu um chicote para o egípcio para que o agredisse como havia sido agredido. Após ter descontado sob a ordem do Emir dos crentes, Omar disse-lhe: Agora, bata nas costas de Amr. O homem disse: "Ó Emir dos crentes, já agredi quem me agrediu". Então, Omar concluiu: "Por Allah, se você o tivesse feito, não te impediria, pois ele só te agrediu por causa do poder de seu pai (Amr)"Depois se dirigiu a Amr e disse: "Ó Amr, desde quando vocês escravizam as pessoas sendo que suas mães deram a luz a eles livres!?".

Foi este mesmo Omar quem certo dia disse: "Se uma besta se perder no Iraque temo que Allah me interrogue no dia do juízo: por que não arrumastes o caminho para ela". Temiam até mesmo a injustiça com os animais, como não poderiam governar com justiça e ser exemplos eternos de vida individual, social e política.

Assim ensinaram a justiça ampla e duradoura do Islam aos muçulmanos até o fim dos tempos...