A crença no dia do juízo e sua influência na conduta do crente

*Aqueles que crêem naquilo que te foi revelado e foi revelado antes de ti e estão cientes da outra vida.* (02: 4)

* Ó fiéis, temei vosso Senhor, pois o terremoto da Hora será algo terrível. No dia em que a presenciardes, cada mãe abandonar o filho que amamenta, e toda gestante abortar. E verás os homens como embriagados,embora não o estejam, mas o castigo de Allah é severo.* (22: 1-2)

 Nestes e em muitos outros versículos, Allah, Altíssimo seja, lembra-nos do dia do juízo, o dia do acerto de contas, o dia da ressurreição, o dia do arrependimento, o dia do comparecimento o dia da realidade, o dia da calamidade. Lembra-nos deste dia, aconselhando o temor a Ele e orientando-o a seguir o caminho por Ele estabelecido. Faz parte destes lúcidos versículos também...

 * Ó humanos, temei vosso Senhor e temei o dia em que um pai em nada poderá redimir o filho, nem o filho ao pai. Certamente, a promessa de Allah é verdadeira. Que não vos iluda a vida terrena, nem vos iluda o sedutor, acerca de Allah.* (31: 33)

* O dia em que o injusto morderá as mãos (de arrependimento) e dirá: Oxalá tivesse seguido a senda do mensageiro. Ai de mim. Oxalá não tivesse tomado fulano por amigo, porque me desviou da mensagem, depois dela me ter chegado...* (25: 27-29)

 * Ó crentes, temei a Allah. E que cada alma considere o que (de provisão) tiver guardado para o dia de amanhã. Temei, pois, a Allah, porque Allah está bem inteirado de tudo quanto fizeis* (59: 18)

*E assim Deus decreta que um dia dará fim a este mundo e todos serão ressuscitados e congregados perante Ele para serem retribuídos e recompensados pelo que fizeram. E de acordo com sua fé e prática, o homem será recompensado e terá como morada eterna o temido inferno ou o desejado paraíso... E assim te revelamos um Alcorão, em árabe para que admoestes a mãe das metrópoles (Makkah) e tudo ao seu redor (o mundo), admoesta-os, portanto, quanto ao dia indubitável do comparecimento, em que uma parte (da humanidade) estará no paraíso e outra no fogo abrasador* (42: 7)

E a crença neste dia influencia na vida do crente e o faz preparado para a hora da morte e para a hora da realidade que todo ser vivo experimentará. Junto a esta crença neste dia que sem duvida há de chegar e está próximo...*Aproxima-se dos homens a prestação de conta, os quais, apesar disso, estão desatentos. Nunca lhes chegou uma nova mensagem de seu Senhor, que não a escutassem, senão fazendo brincadeiras* (21: 1-2)... ,junto a esta crença temos a orientação divina: Temam a Deus.

Ordena o crente a temê-lo em dezenas de versículos do Alcorão Sagrado e esclarece como este temor protege o ser humano e traz inúmeros benefícios ao homem, tanto nesta vida como após a morte.

Ouvimos os versículos que esclarecem a existência de um dia no qual nada do que fizemos será esquecido e somos, portanto, ordenados a medir nossas ações levando em consideração este dia, e a medida destas nossas ações é o que podemos chamar de : temer a Deus.(o termo: taqua), por isso, Deus une entre a lembrança do dia do juízo e a ordem: temei a Allah.  

Ibn Kathir,um dos grandes sábios muçulmanos cita que Ibn Massud disse sobre o significado do versículo: *E tema a Deus verdadeiramente* "Obedecê-lo e não contrariar sua ordem, lembrar d`Ele e não esquecê-lo, agradecer a Ele e não negá-lo". Talq ibn Habib, outro sábio, disse: "Obedecer a Allah, sob a Sua orientação, desejando a Sua recompensa. E deixar as proibições de Allah, sob a Sua orientação, temendo o Seu castigo". E assim, o crente virtuoso teme os seus pecados e, ao mesmo tempo, espera que Deus o perdoe, seguindo os meios previstos para que isto aconteça...

Deseja a salvação e não segue os seus meios,   saiba que o navio não navega em terra firme!!

Este temor com a esperança do paraíso é que faz o homem preparar-se para o dia final e para o comparecimento perante Deus, praticando o bem e cumprindo suas obrigações perante seu Criador. Por isso, Ali ibn Abi Talib interpretou o temor (taqua), dizendo: "Temer a Deus, praticar o que foi revelado por Deus, e preparar-se para o encontro com Deus". E Omar ibn al Khattab: "Te recomendo o temor a Deus, pois aquele que o temer Ele o protegerá, e quem o emprestar (praticar o bem esperando a retribuição) o recompensará, e quem o agradecer aumentará (sobre o que já tem). Portanto, faça com que o temor a Deus esteja sempre frente aos seus olhos e seja a pureza do seu coração".

E ainda sobre esta nobre qualidade, um poeta diz:

Deixe os pecados, sejam eles pequenos ou grandes, isto é at taqua

E viva como alguém, que anda cuidadosamente para não pisar nos espinhos espalhados pelo chão

E não menospreze o pequeno erro, pois as montanhas são compostas de pequenas pedras.      

Este é o temor à Deus, prática de suas ordens e abandono de suas proibições equilibrando-se entre a esperança do perdão e o medo do castigo severo. Esta esperança significa: "a espera do acontecimento de algo querido após serem seguidos os meios para tal". E este medo é: "a dor do coração por causa do receio do acontecimento de algo indesejado". Sobre o equilíbrio da esperança em Deus e o medo de Deus, alguns de nossos sábios dizem: "a esperança e o medo são como as asas para o pássaro, e não se aproxima o servo de Deus senão com a esperança, e não distancia-se do inferno senão com o medo".

Por causa da existência desse dia do qual falamos, devemos fazer o temor a Deus viver em nossos corações, engrandecendo à Deus em nossos dias,pois o temor traz todos os benefícios e bênçãos para o homem que o possue, é a chave de todos os bens e a porta de todas as mercês divinas, e qualquer bem ou mercê adquiridos por outro meio, que não o temor a Deus, terá um futuro indesejado.

1- O conhecimento é alcançado com at taqua...   *Temei a Allah, e Ele vos instruíra, porque é Onisciente* (2: 282)

Foi relatado que al Imam Ashafi´i citou um poema em que relatava seu diálogo com seu skeikh:

Reclamei ao Sheikh a falta de memória,

Então, me recomendou deixar os pecados,

E me informou que o conhecimento é uma luz,

E a luz de Deus não é concedida aos pecadores.

2- As boas ações só são aceitas dos tementes...*...Disse-lhe: Allah só aceita (a oferenda) dos tementes* (5: 27)

3- Deus enriquece e agracia o temente quando menos espera e ameniza o seu sofrimento nos momentos mais difíceis ...*E, a quem temer a Allah, Ele apontará uma saída, E o agraciará quando menos esperar.Quanto àquele que se encomendar a Allah, saiba que Ele lhe será suficiente, porque Allah cumpre o que promete ...Mas, a quem temer a Allah, Ele lhe aplainarã o assunto* (65: 2-3-4)

4- Com o temor, reconhecemos a verdade e assim, Deus nos orientará, salvando-nos com sua misericórdia... *Ó crentes, se temerdes a Allah, Ele vos concederá discernimento (entre o bem e o mal), apagará os vossos pecados e vos perdoará, porque é Agraciante por excelência * (8: 29)

E assim temos o temor à Allah (at taqua) sendo mencionado por Deus cerca de 150 vezes no Alcorão Sagrado, lembrando seus benefícios e orientando o homem a ter o temor como diretriz geral em sua vida.Temor que é resultado de uma crença imbatível e inquestionável: a crença no dia do juízo final, a crença que influenciou a vida dos crentes sinceros e os fez viver para Deus nesta vida, para alcançar a felicidade eterna na outra. Do lado oposto, outros homens preferiram a vida terrena à outra e nela irمo satisfazer-se temporariamente e depararão com o castigo por sua negligência...* Que não te enganem, pois (ó Muhammad), as andanças (mercantilistas) dos incrédulos, na terra.* (3: 196).  Porém, para os tementes...*A vida terrena não passa de jogo e diversão. E a morada na outra vida (eterna) é melhor para os tementes. Não refletem?* (6: 32). E para todos, Deus cita o exemplo desta vida... *Sabei que a vida terrena é tão-somente jogo e diversão, veleidades, mútua vanglória e rivalidade, com respeito à multiplicação de bens e filhos; é como a chuva, que compraz aos cultivadores, por vivificar a plantação; logo, completa-se o seu crescimento e a verás amarelada e transformada em feno. Na outra vida haverá castigos severos, indulgência e complacência de Deus. Que é vida terrena, senão um prazer ilusório?* (57: 20)

Por isso, os tementes vivem acorrentados às normas de Deus, uma prisão que traz tranqüilidade e felicidade, pois estão cumprindo o que lhes foi ordenado e terão sua hora de descanso e gozo eterno, após uma vida exemplar e repleta de felicidade não por possuirem os fatores materiais e ilusórios desta vida, mas por serem tementes a Deus, cujo temor influenciou suas vidas...

Certo dia, Al Fudhail perguntou a um homem a sua idade. Este disse ter sessenta anos. Então Al Fudhail completou: "Há sessenta anos você está a andar pela terra, está quase chegando! O outro disse: "A Deus pertencemos e a Deus retornaremos". Sabe qual o significado disso?, voltou a perguntar. Disse: "Sim. Sei que sou um servo de Deus e que a Deus retornarei". Al Fudhail, então, disse: "Quem sabe que é um servo de Deus e que a Deus retornará, deve saber que irá parar ante Deus, e quem sabe que estará ante Deus deve saber que será interrogado. E quem sabe que será interrogado, que prepare as respostas para as perguntas". O homem perguntou à Fudhail: "Então, qual a saída?" Al Fudhail finalizou: "Que tema a Deus no que resta, e Deus perdoa o que passou e o que há por vir".

Outro homem acabou apaixonando-se por uma mulher que certo dia disse-lhe: "Eu te amo". Ele disse o mesmo: "E eu também te amo". Ela continuou: "E desejo colocar a minha boca na sua boca". Ele : "E eu também...". Ela completou: "E desejo encostar o meu corpo no seu corpo". Ele: "E eu também...". Então disse-lhe a mulher: "Pois, o que te impede de aproximar-te de mim e não há mais ninguém conosco?!". O homem, temendo a Deus, disse: "Eu ouvi Deus dizer: *Nesse dia (do juízo) os amigos tornar-se-ão inimigos, exceto os tementes* (43: 67), e eu detesto que o amor entre eu e você transforme-se em inimizade no dia do juízo!!!".

Outro temente, ao ser iludido pelo pecado, antes de fazê-lo, ficou paralisado e disse: "Quem vende o paraíso eterno, cuja extensão equivale aos céus e à terra por minutos de prazer tem pouquissima experiência em medidas e pesos!!!"... *  Apressai-vos em obter a indulgência de vosso Senhor e um paraíso, cuja amplitude é igual à dos céus e da terra, preparado para os tementes* (3:  133)

Assim deve ser o temor a Deus, e assim deve ser a influência de nossa crença no  dia do juízo final, algo real e verídico, para que a nossa felicidade eterna também seja real e verídica.